sábado, 26 de novembro de 2016

Vista parcial do governo Temer

Foto: Ueslei Marcelino

Luiz Ruffato
El País

Desde que assumiu o governo, o presidente não eleito Michel Temer vem demonstrando verdadeiro desprezo pela moralidade pública. Colocando-se acima das leis — ele, que se autointitula jurista! —, ignora as claras manifestações de irregularidades cometidas por seus subordinados, além de as consumar ele próprio, elevando a prática da corrupção, que infelizmente sempre existiu neste país, a mero acidente de percurso. Temer se fortalece com o silêncio das ruas, alimentando-se da hipocrisia e do cinismo daqueles que, exatamente em nome do combate à corrupção, derrubaram a presidenta Dilma Rousseff, democraticamente eleita e contra quem não se produziu até hoje uma mínima prova de ilegalidade.

O episódio mais recente talvez seja emblemático da maneira como Michel Temer age — ou melhor, não age. Não se trata de denúncia da imprensa — aliás, a grande mídia brasileira há muito blindou o governo Temer — nem queixa de adversários, mas de acusação de um ministro a outro, ambos nomeados por ele e que, portanto, comungam de suas ideias. O ex-ministro da Cultura Marcelo Calero disse, com todas as letras, ter sido pressionado pelo ministro da Secretaria de Governo, Geddel Vieira Lima, a, contrariando parecer do Iphan, aprovar a construção de um prédio de 31 pavimentos em uma área tombada de Salvador, onde por acaso Geddel possui um apartamento avaliado em 2,5 milhões de reais. Confrontado, o ministro admitiu ter advogado em causa própria, afirmando, com sarcasmo, que sua preocupação, no caso, era com a retomada do crescimento econômico.

Geddel Vieira Lima é homem-forte do governo Temer. Ele tem como função assessorar o presidente da República no relacionamento e na articulação com movimentos sociais, entidades patronais e de trabalhadores com a finalidade de criar e manter canais de consulta e participação popular na definição da agenda de prioridades do País. Para quem não lembra, Geddel Vieira Lima era um dos chamados “anões do Orçamento”, escândalo ocorrido no começo dos anos 1990 e que levou à cassação de cinco deputados e um senador e à renúncia de outros quatro deputados. Ele ainda foi ministro da Integração Social no governo Lula, entre 2007 e 2010, quando privilegiou sua base eleitoral, a Bahia, com 90% das verbas liberadas por sua pasta. Além disso, Geddel Vieira Lima recebe mensalmente 55.288,25 reais — soma de seu salário de ministro com os proventos da aposentadoria como deputado, ultrapassando em R$ 21.525,25 o teto constitucional de 33.763,00 reais.

Outro homem forte do governo Temer é o contorcionista Romero Jucá. Vice-líder do Governo Fernando Henrique Cardoso, ocupou por três meses o cargo de ministro da Previdência Social do Governo Lula (entre março e julho de 2005), quando foi exonerado por suspeita de corrupção. Isso não impediu que Lula o nomeasse no ano seguinte líder de seu governo, cargo que manteve ainda no Governo Dilma Rousseff até março de 2012. A convite de Michel Temer, assumiu o Ministério do Planejamento, deixando a pasta 10 dias depois da nomeação, após o vazamento de um áudio em que aparecia conspirando contra Dilma e contra a Operação Lava Jato. Ele ainda é alvo de quatro investigações no Supremo Tribunal Federal (STF), por crimes como lavagem de dinheiro, corrupção passiva, apropriação indébita previdenciária, falsidade ideológica, etc etc etc. Romero Jucá é o líder do Governo Temer no Senado.

Sete dos 23 ministros de Temer estão citados na Operação Lava Jato: Raul Jungman (Defesa), Bruno Araújo (Cidades), Eliseu Padilha (Casa Civil), Ricardo Barros (Saúde), Mendonça Filho (Educação), Geddel Vieira Lima (Secretaria de Governo), além do tucano José Serra, candidatíssimo à Presidência da República, atual ministro das Relações Exteriores, acusado de receber, via caixa dois, 23 milhões de reais da empreiteira Odebrecht para financiar sua campanha eleitoral em 2010. O próprio Michel Temer é considerado, pela Lei da Ficha Limpa, inelegível em 2018. A pergunta que fica é: por que não mais ouvimos panelas batendo contra a corrupção?

Nenhum comentário :

Postar um comentário