quarta-feira, 25 de janeiro de 2017

Ex-primeira dama Marisa Letícia sofre AVC. Tire suas dúvidas sobre a doença

O AVC ocorre quando um coágulo bloqueia uma artéria, dificultando fornecimento sanguíneo. Vaso sanguíneo cerebral também pode se romper, causando sangramento intracraniano (Foto ilustrativa: Pixabay)

NE 10

Na tarde desta terça-feira (24), a ex-primeira dama Marisa Letícia, mulher do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, sofreu um acidente vascular cerebral (AVC). Marisa estava em sua residência, em São Bernardo do Campo (SP), no momento do sangramento cerebral. Internada no Hospital Sírio Libanês, em São Paulo, ainda não há muitas informações sobre seu estado de saúde. O fato chama a atenção para os muitos casos de AVC, popularmente conhecido como derrame cerebral, que temos conhecimento no nosso cotidiano. As perguntas em torno do assunto são muitas e as dúvidas sempre recorrentes.

A ex-primeira dama, Marisa Letícia, é atendida por uma equipe no Hospital Sírio-Libanês (Foto: Wilson Dias/ABr)

O derrame cerebral é uma das principais complicações de doenças que afetam os vasos que levam sangue ao cérebro. O risco maior é que o entupimento ou rompimento de um desses vasos impede o adequado fluxo de sangue para partes do cérebro, levando à perda de algumas de suas funções. Segundo dados do Ministério da Saúde (MS), a doença mata mais do que o infarto e acomete mais de 100 mil pessoas por ano. No mundo, segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), o derrame cerebral mata cinco milhões de pessoas a cada ano.

Quer entender um pouco mais sobre o acidente vascular cerebral? Confira as principais dúvidas:
1. O que é o AVC?

Antes de tudo, vale lembrar que o AVC é classificado em dois tipos: o isquêmico e o hemorrágico. O primeiro, mais comum, é decorrente de uma obstrução de um vaso sanguíneo cerebral, ocasionando a falta de fornecimento sanguíneo na região afetada. Esse coágulo, que pode se formar dentro das artérias do cérebro ou nas artérias do pescoço e no coração, bloqueia uma artéria. Já o AVC hemorrágico acontece quando um vaso sanguíneo cerebral se rompe, causando sangramento intracraniano. Nos dois casos, o serviço de saúde deve ser acionado imediatamente, uma vez que o atendimento precoce diminui o risco de sequelas. O derrame cerebral também pode levar à morte.
2. Qualquer pessoa pode sofrer um AVC?

O acidente vascular cerebral pode acometer pessoas de qualquer idade. Mas, geralmente, ocorre mais em pacientes com idade mais avançada e aqueles com doenças crônicas. Hábitos de vida pouco saudáveis também são fatores de risco para o AVC.
3. Quais as principais causas para o AVC?

A hipertensão arterial é a principal causa, principalmente se aliada a hábitos não saudáveis (já mencionados acima), como o tabagismo e o alcoolismo. O aumento dos níveis de colesterol, a diabetes, doenças do coração e o uso inadvertido de anticoncepcionais orais também podem levar a um AVC. Obesidade, alimentação com altos teores de gordura e estresse também aumentam a incidência dessa complicação. Outro fator é o uso de drogas ilícitas.
4. Quais os sintomas característicos?

Dormência ou paralisia de um lado da face ou do corpo são os principais sintomas. Dificuldade para falar, perda súbita da visão, dor de cabeça muito forte e confusão mental também fazem parte do quadro clínico que podem diagnosticar um derrame cerebral. “Se o paciente está com a boca torta, um dos braços não levanta ou não se consegue entender o que ele fala, isso pode ser um AVC, e o socorro imediato é importante para diminuir os danos”, alerta o médico João Eudes Magalhães, coordenador da Neurologia do Hospital Esperança Olinda, no Grande Recife.
5. Quais os procedimentos para o tratamento do AVC?

Inicialmente, a equipe médica fará o controle das funções vitais do paciente, como oxigenação, pressão arterial, ritmo cardíaco e nível de glicose no sangue. Alguns pacientes podem precisar de medicamentos para dissolver o coágulo. Em casos mais delicados, pode ser necessário realizar uma cirurgia para a retirada de hematomas ou para aliviar a pressão cerebral, assim como cateterismo para revascularização das áreas comprometidas.
6. Como é a recuperação de um paciente que sofreu um AVC?

Além de tratamento com uma equipe multidisciplinar – que engloba médicos, enfermeiros, fisioterapeutas, fonoaudiólogos e outros profissionais da saúde – o paciente terá que adotar um estilo de vida mais saudável. Reduzir o consumo de sal, gorduras e álcool, alimentação adequada, praticar atividades físicas regularmente e controlar o peso também é essencial para uma recuperação satisfatória.

Nenhum comentário :

Postar um comentário