domingo, 29 de janeiro de 2017

Governo está secando a seiva da vida intelectual e artística

Leonardo Boff
O Tempo

Já se disse quase tudo e se fez de tudo em termos de crítica e de manifestações de professores, alunos, artistas e intelectuais no sentido de salvar um dos patrimônios culturais mais caros à cidade do Rio de Janeiro: a Universidade do Rio de Janeiro (UERJ), fundada em 1950. Quero ater-me a um testemunho pessoal dos anos em que fui professor de ética e de filosofia da religião nessa universidade. Mas antes vale recordar uma política exemplar vinda de Cuba.

À dissolução política da União Soviética, que apoiava economicamente Cuba nos quadros de uma política de solidariedade internacional, seguiu-se formidável crise generalizada, pois a nova Rússia não tinha mais condições de ajudar o país. Entregou-o à própria sorte. Tudo foi duramente reduzido e reajustado. Entretanto, dois campos ficaram intocáveis: a saúde e a educação. Ali se mantiveram todos os investimentos necessários. É conhecido o alto nível da educação e da saúde de Cuba. A razão era óbvia: um povo doente e ignorante nunca poderia levar avante qualquer projeto nacional.

Charge do Bruno Galvão (chargesbruno.blogspot.com.br)

Pois não é isso que ocorre no Brasil. Cortou-se na saúde e na educação. Parece que a falta de educação e de saúde obedece à lógica da dominação das classes endinheiradas e do Estado refém de suas estratégias. É mais fácil explorar um povo ignorante e doente que um sadio e educado.

SEM HORIZONTE – Assistir à derrocada da UERJ, uma das melhores universidades do país, é aceitar que se mate a seiva da criatividade e se feche o horizonte de um futuro da atual geração de estudantes e professores. Bem dizia Celso Furtado em seu “O Longo Amanhecer”:

“Uma sociedade só se transforma se tiver capacidade de improvisar, de ter ou não acesso à criatividade: eis a questão” (1999, p. 67). O que caracterizava a UERJ era, e continua sendo, sua criatividade, sua abertura a fronteiras novas, sejam ligadas à pesquisa de ponta em várias áreas técnicas e na saúde, seja sua articulação com as bases populares, com cursos de extensão em formação de lideranças, direito social e educação em direitos humanos em vários municípios, sua atuação corajosa nos conflitos de terras.

Aceitei ser professor nessa universidade sob a condição de que minhas aulas fossem abertas a quem quisesse das comunidades e a outros interessados.

TESES BRILHANTES – Minha preocupação em filosofia era levar os estudantes a pensar com suas próprias cabeças e tomar como temas de tese a realidade brasileira. Não basta saber o que Aristóteles, Heidegger, Habermas, Bergson, Deleuze ou Guatarri sabiam. Importa pensar o que sabemos. Daí nasceram teses brilhantes, como, por exemplo, uma sobre o profeta Gentileza, outra sobre espiritualidade nos tempos modernos no diálogo com a psicologia analítica de C.G. Jung.

Contudo, o que mais me impressionou nessa universidade – da qual trago as melhores lembranças e cujo nome levei a todos os países nos quais dei palestras e cursos, na Rússia, na China e até entre os samis (esquimós), perto do Polo Norte –, foi o ambiente de abertura e de representação do que é o Brasil real, com a presença de estudantes vindos das classes populares da Baixada Fluminense, a coexistência sem qualquer discriminação entre negros e brancos, a orientação social de todo o ensino da instituição, com forte acento na construção de uma nação livre, criativa, soberana e insubmissa às lógicas da dominação. Há que recordar a resistência da UERJ à ditadura militar, com a morte de um estudante pelos órgãos de repressão.

O lema das manifestações é “luto e luta”: luto pela agonia desse centro de excelência e luta para garantir sua existência contra o sucateamento e sua eventual privatização. Salvar a UERJ é garantir a seiva da vida intelectual e artística da cidade e permitir que o Brasil inteiro se beneficie com seus serviços sérios e excelentes.

Nenhum comentário :

Postar um comentário