terça-feira, 10 de janeiro de 2017

Reajuste na tarifa de ônibus será discutido na sexta-feira

Na melhor hipótese, aumento nas passagens de ônibus será de 11%
Foto: Paullo Allmeida/Folha de Pernambuco

Luiz Filipe Freire
Folha de Pernambuco

O reajuste da tarifa de ônibus na Região Metropolitana (RMR) será discutido na próxima sexta-feira, às 8h30. O encontro foi convocado na última segunda-feira (9) depois de um estudo da composição tarifária feito pelo Grande Recife Consórcio de Transporte (GRCT), gestor do sistema, ter sido disponibilizado aos integrantes do Conselho Superior de Transporte Metropolitano (CSTM), que votarão o índice de aumento.
A medida cumpre a liminar judicial que impediu que o tema fosse discutido, na sexta-feira passada, sem que documentos com dados técnicos fossem divulgados aos conselheiros. Nessas planilhas, o GRCT aponta três cenários de reajuste. No menos oneroso aos passageiros, o anel A subiria de R$ 2,80 para R$ 3,10, e o B, de R$ 3,85 para R$ 4,30 (ver arte).

Nesse primeiro cenário, o índice aplicado seria de +11,10%, mas o valor não prevê o custeio da renovação da frota ao longo do ano. Significa que, em troca de um aumento menor, o passageiro te­ria que continuar convivendo com ônibus cada vez mais velhos. O próprio estudo do GRCT indica que, dos 2,8 mil coletivos que circulam na RMR, 467 estão com vida útil acima da idade estabelecida - sete anos para ônibus tipo padrão, e dez para articulados.

No segundo cenário, haveria renovação da frota, mas o aumento da passagem seria de 13,89% - anel A, R$ 3,20, e B, R$ 4,40. Já o terceiro e último cenário, próximo ao defendido pelas empresas de ônibus e cuja possibilidade de aprovação pelos conselheiros é remota, prevê um reajuste de 34,74%, elevando o anel A a R$ 3,75, e o B, a R$ 5,20.

Nesse caso, a passagem ficaria bem mais cara porque passaria a absorver o custeio de isenções relativas a combustíveis, a remuneração de empresas de ônibus e o valor da operação de terminais integrados e estações de BRT. Hoje, parte desses custos é absorvida pelo Governo na forma de subsídios, que, neste ano, chegariam a R$ 221 milhões.

Todos os cenários, porém, consideram índices acima da inflação acumulada nos últimos 12 meses, de 6,9%. Se somente esse indicador fosse levado em conta, o anel A subiria para R$ 3. “Infelizmente, sabemos que a tendência é que passe a proposta que contemple interesses da maioria do Conselho. Mas vamos analisar a documentação”, avaliou o conselheiro Márcio Morais, representante dos estudantes.

Nenhum comentário :

Postar um comentário