sexta-feira, 3 de março de 2017

Estudante detectou sozinha desvio milionário de bolsas que a UFPR não viu

Débora desconfiou quando a própria bolsa de estudo atrasou. Sem sair de casa, descobriu que cabeleireira, taxista e artesã recebiam dinheiro de pesquisa

Katia Brembatti e Raphael Marchiori
Gazeta do Povo

Esta história é sobre o poder de um olhar atento – e também sobre a importância dos portais de transparência, que forçam a publicação de informações que muitos gestores gostariam de manter escondidas. Um exemplo bem marcante foi a divulgação de um desvio de R$ 7,3 milhões – dinheiro que deveria servir para custear pesquisadores da Universidade Federal do Paraná (UFPR) e que levou 29 pessoas para a prisão. As informações que revelavam a irregularidade estavam disponíveis na internet, ao alcance de quem tivesse o interesse e a curiosidade para seguir uma trilha de pistas. Ao ponto de o descuido levar a Polícia Federal (PF) e o Tribunal de Contas da União (TCU) a criticar a falta de cuidado da universidade, considerando “ilegalidades grosseiras” o desvio das bolsas.

Débora Sögur Hous, estudante de Jornalismo da UFPR de 25 anos, começou a consultar o Portal da Transparência do governo federal por um motivo pessoal: bolsista, ela recorria ao site todos os meses para saber se os valores haviam sido depositados. Aos poucos, ela foi entendendo a lógica de publicação das informações e passou a perceber pontos fora da curva, ou seja, dados que escapavam do padrão. Eram depósitos de valores bem acima da média, feitos em ordens bancárias a um pequeno grupo de pessoas (enquanto os demais casos somavam centenas de destinatários na mesma autorização de pagamento).

As primeiras suspeitas surgiram em 2014, mas Débora ainda não conseguia sistematizar as informações. Foi aí que ela buscou se especializar: fez dois cursos da Associação Brasileira de Jornalismo Investigativo (Abraji) e outros dois da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), além de uma oficina com o coletivo de jornalistas Livre.jor, parceiros da Gazeta do Povo. Com o que aprendeu, conseguiu montar toda a rede de pagamentos suspeitos. Além do próprio Portal de Transparência, Débora usou o Google e o Facebook para saber quem eram os supostos bolsistas. Assim, sem sair de casa, consultando dados públicos, ela descobriu que uma cabeleireira, um taxista e uma artesã, por exemplo, estavam na lista dos beneficiados pelas bolsas de de pesquisa de mais altos valores na universidade.

Sem muitos recursos, Débora fez uma auditoria própria nos pagamentos feitos pela UFPR. Ela percebeu o que os sistemas de controle de gastos públicos levaram quatro anos para identificar (já que os depósitos irregulares começaram em 2013). Mesmo com o “alerta” emitido em 2014 – quando foi publicada a série Universidade S.A., um conjunto de reportagens produzido por cinco veículos de comunicação, incluindo a Gazeta do Povo, mostrando casos de pagamentos suspeitos –, os filtros governamentais não foram capazes de encontrar rapidamente o desvio que estava acontecendo na UFPR. O Tribunal de Contas da União (TCU) detectou a irregularidade em outubro de 2016. O caso foi comunicado à direção da Universidade, que avisou, em novembro, a Polícia Federal para que a situação fosse investigada.

Nenhum comentário :

Postar um comentário