domingo, 14 de maio de 2017

Próximo presidente deve ser honesto, aponta pesquisa

Sob a ótica de Adriano Oliveira, o dado é 'um reflexo fortíssimo da Lava Jato'Agência Brasil/Arquivo

Giselly Santos
Leia Já

De acordo com uma pesquisa feita pelo UNINASSAU, a qualidade é pré-requisito para 41,2% dos entrevistados. A corrupção na política é o principal problema atual no país para 31,6%

Com os últimos anos marcados por escândalos de corrupção, entre eles o da Petrobras investigado pela Lava Jato, a pedida por políticos honestos têm ficado cada vez mais latente no Brasil. Para os pernambucanos, de acordo com um levantamento feito pelo Instituto de Pesquisas UNINASSAU, a qualidade deve ser o principal pré-requisito do próximo presidente da República. Segundo dados da amostra, 41,2% dos entrevistados apontam a honestidade como uma virtude essencial a um chefe do Executivo nacional. 

Outros atributos apontados pelo estudo, encomendado pelo LeiaJá em parceria com o Jornal do Commércio, são caráter (7,4%), trabalho (5%), compromisso (3,6%), responsabilidade (3,4%), humildade (1,8%) e competência (1,4%). As virtudes mencionadas também são um reflexo do que a população considera como principal problema do país. Ao indagar 2.263 pernambucanos sobre o assunto, 31,6% deles apontaram que os políticos corruptos são o imbróglio do Brasil. 

“Isso demonstra que hoje [a honestidade] é o ponto principal, mas ainda não significa que seja mantido até 2018. A honestidade é atributo relevante, certamente irá influenciar nas eleições, mas não saberia mensurar o quanto", avalia o cientista político e responsável pela pesquisa, Adriano Oliveira.

Sob a ótica do especialista, o dado é "um reflexo fortíssimo da Lava Jato" e os próximos resultados da operação, envolvendo nomes como o do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT), apontado como o preferido hoje para a disputa presidencial, vão determinar se o atributo se manterá ou não. 

Outros problemas e responsabilidades

Questões sociais como desemprego (19,4%), segurança (15,%), saúde (9,5%), crise econômica (5,7%), educação (2,9%) e drogas (1,2%) completam a lista dos principais problemas o país de acordo com o levantamento do Uninassau. 

Já quanto a responsabilidade para a resolução destas dificuldades enfrentadas pelo Brasil, 28,6% dos entrevistados apontaram o presidente Michel Temer (PMDB) como a pessoa que deveria apresentar soluções aos impasses, 24,8% atribuíram a responsabilidade ao Governo Federal como um todo e 17,9% aos políticos. 

Para 9,2% dos que participaram da amostra, o povo deveria solucionar os problemas do país, 2,4% acreditam que o Supremo Tribunal Federal (STF) tem o poder de reorganizar o cenário e 1,6% o poder público. 

Nenhum comentário :

Postar um comentário