sexta-feira, 2 de junho de 2017

Principal barragem da RMR atinge 90% da capacidade

Barragem de Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho
Foto: Divulgação/ Compesa

Folha-PE

A Barragem de Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho, é o manancial que está respondendo mais positivamente aos efeitos das chuvas na Região Metropolitana do Recife (RMR). Segundo a Companhia Pernambucana de Abastecimento (Compesa), as chuvas registradas entre quarta (31) e quinta-feira (1°) conseguiram acumular mais 4,3% e hoje o reservatório está com 90,73% da capacidade, o que corresponde a um volume de 55 milhões 234 mil m³. Pirapama é o sistema mais importante da RMR por ter a maior capacidade de distribuição de água, sendo responsável por 35% do atendimento, contemplando áreas planas do Recife, Cabo e bairros de Jaboatão dos Guararapes.

No entanto, mesmo que a barragem atinja a sua capacidade máxima, não haverá alteração na distribuição de água nas áreas atendidas por Pirapama, porque a Compesa informou que já trabalha com a capacidade máxima de tratamento de água do sistema. Ainda segundo a companhia, a boa notícia é que o volume de água acumulado até hoje na barragem dá tranquilidade para administrar o abastecimento até o próximo verão.

Mesmo com o bom índice, Pirapama foi a segunda barragem que mais acumulou água. De acordo com a Compesa, as chuvas foram mais intensas na área de influência da Barragem de Duas Unas, em Jaboatão dos Guararapes. O reservatório, o menor em volume de armazenamento dos quatro que compõem o complexo de sistemas de abastecimento de água que atende o Grande Recife, aumentou 13,39% da sua capacidade.

O manancial tem a capacidade de acumular 24 milhões e 199 mil m³ de água e hoje está com 13 milhões e 413 mil m³- do total. No monitoramento realizado na quarta, Duas Unas apresentou um resultado de 41,84 %.

Em terceiro lugar, vem a Barragem de Tapacurá, situada em São Lourenço da Mata, que acumulou mais 2,14 % e passou a registrar 46,16%. Tapacurá é o maior reservatório para abastecimento humano da RMR, com capacidade máxima para acumular 94 milhões e 200 mil m³ e está agora com 43 milhões 480 mil m³ de água.

A Barragem de Botafogo, em Igarassu, continua sendo o manancial a receber a menor contribuição de chuvas na RMR. O reservatório só conseguiu acumular mais 1,38% de quarta para quinta, passando para 16,27%. O reservatório está com 4 milhões e 489 mil m³ de uma capacidade total de 27 milhões e 595 mil m³. Essa barragem é a principal fonte de abastecimento de água para as cidades de Olinda, Paulista, Igarassu e Abreu e Lima. A situação de Botafogo ainda é considerada crítica para os técnicos da Compesa.

Agreste do Estado
No Agreste, a cidade de Buíque, distante 284 km do Recife, está sendo beneficiada com o aumento do nível da Barragem Mulungu, que alcançou 60% da sua capacidade máxima - 1,3 milhões m³ de água, segundo a Compesa. O manancial responde por 65% da água fornecida para o município e, somado à produção do Sistema do Vale do Catimbau, permitiu a redução do rodízio de abastecimento para os 17,8 mil habitantes. A partir deste mês, serão dois dias com água e quatro dias sem. Antes, o calendário de distribuição era de quatro dias com água e oito dias sem.

A acumulação de água em Mulungu começou a elevar no final do mês de abril, quando a barragem registrou 14% do seu nível, e a companhia pôde voltar a utilizar a água do manancial. Em função da estiagem, a Barragem Mulungu tinha deixado de fornecer água para Buíque em outubro de 2015. Antes das chuvas, o abastecimento da cidade só contava com o Sistema do Vale do Catimbau, que foi construído pela Compesa para complementar o abastecimento da cidade. O sistema é alimentado pela água explorada de três poços e entrou em operação no ano de 2015. 

Além de Buíque, a água da Barragem Mulungu também será destinada ao abastecimento do distrito de Guanumbi, que possui um pouco mais de 700 moradores. A localidade, que não estava sendo abastecida pela rede, desde agosto do ano passado, volta a ter água nas torneiras este mês.

Previsão de chuvas
Em relatório produzido às 16h desta quinta-feira (1°), a Agência Pernambucana de Águas e Clima (Apac) informou que, nas próximas 24 horas, deve cair chuvas isoladas de intensidade fraca a moderada, principalmente no período da noite, no Grande Recife, Mata Sul e Agreste. As duas últimas regiões têm cidades em estado de emergência por conta das chuvas que caem desde o último final de semana e enchentes.

Nenhum comentário :

Postar um comentário