quinta-feira, 22 de junho de 2017

Serviço que atende mulheres vítimas de violência completa 16 anos

Serviço Wilma Lessa fica sediado no Hospital Agamenon Magalhães (HAM), no bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife
Foto: SES/Divulgação

JC Online

Voltado para o atendimento de mulheres vítimas de algum tipo de violência (física, moral, sexual), Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa (SAM/WL), sediado no Hospital Agamenon Magalhães (HAM), no bairro de Casa Amarela, Zona Norte do Recife, está completando 16 anos de funcionamento. A unidade é aberta 24 horas e conta com uma equipe multiprofissional, que faz o acolhimento e realiza todos os procedimentos de saúde necessários das pacientes.
No serviço, a mulher é recebida por uma assistente social, responsável pelo acolhimento. Depois, ela é encaminhada ao médico e enfermeira e ainda à psicóloga de plantão. Na consulta, verificam-se os protocolos necessários para cada tipo de caso. Quando o atendimento é relacionado à agressão sexual, por exemplo, o protocolo inclui o uso de contraceptivo de emergência, do coquetel para IST/ HIV, exames subsequentes e, se necessário, o aborto previsto em lei. Todas as medidas são rigorosamente analisadas pelos médicos e equipe de plantão.

“As consultas levam em consideração cada tipo de caso e as especificidades de cada mulher. Mas é importante frisar que todas terão suas vontades respeitadas e que há o sigilo do atendimento. Também não é necessário que a vítima formalize a denúncia em uma delegacia para que seja atendida no espaço”, explica a coordenadora do Serviço de Apoio à Mulher Wilma Lessa, Mayara Mendes. "No caso da violência sexual, por exemplo, a paciente pode ser acompanhada por cerca de 8 meses, tempo necessário para que se cumpra todo o protocolo de exames", destaca
Violência sexual

Quando o atendimento é relacionado à agressão sexual, o protocolo de atendimento inclui o uso de contraceptivo de emergência, do coquetel para IST/ HIV, e os exames subsequentes. Além disso, seguindo o protocolo de atendimento às mulheres vítimas de violência, estabelecido pelo Ministério da Saúde, e também ao que determina o Código Penal brasileiro, dá-se à mulher vítima de violência o direito em decidir pela continuidade ou não da gestação em decorrência do estupro. O SAM/WL também é referência na realização das interrupções gestacionais nos casos em que a lei prevê, garantindo a assistência segura e humanizada às mulheres. Em 2017, foram 9 casos de abortos previstos em lei. No mesmo período de 2016 foram 7.

Atendimentos

Neste ano, entre os meses de janeiro e maio, 156 mulheres procuraram o Wilma Lessa para o primeiro atendimento. Contando com os retornos para acompanhamento dos casos, totalizam-se 1.110 atendimentos. No mesmo período de 2016, foram 142 primeiros atendimentos e 566 consultas ao total. Nos primeiros cinco meses de 2017, o Wilma Lessa realizou 156 primeiras consultas. A maioria dos casos envolvia violência sexual (111), seguido de sexual com física (26), física (16), 1 psicológica e 2 situações ignoradas.

Em relação à idade, 45 tinham entre 12 e 18 anos, 110 entre 19 e 59 e 1 mulher idosa. Desse total, 64 pacientes foram encaminhados ao Serviço por uma delegacia, 53 de outros serviços de saúde, 35 por demanda espontânea e 4 da rede de proteção, como conselhos tutelares.

Além do Wilma Lessa, que pode atender mulheres de todo o Estado, há outras unidades de saúde municipais e estaduais para atender as mulheres vítimas de violência. Veja abaixo:

I GERES: Centro Integrado de Saúde Amaury de Medeiros (Cisam) - Recife; Instituto de Medicina Integral Professor Fernando Figueira (Imip) - Recife; Hospital da Mulher do Recife - Recife; Hospital e Maternidade Petronila Campos - São Lourenço da Mata; Maternidade Arnaldo Marques - Recife; Policlínica Agamenon Magalhães - Recife; Maternidade Bandeira Filho - Recife; Unidade Mista Prof Barros Lima - Recife.

IV GERES: Hospital Jesus Nazareno - Caruaru.

VII GERES: Hospital Regional Inácio de Sá - Salgueiro.

VIII GERES: Hospital Dom Malan - Petrolina.

XI GERES: Hospital Professor Agamenon Magalhães - Serra Talhada.

Nenhum comentário :

Postar um comentário