terça-feira, 25 de julho de 2017

Dois professores são presos em flagrante por pedofilia em Pernambuco

Diário de Pernambuco

A Polícia Federal cumpriu nesta terça-feira em Pernambuco dois mandados de busca e apreensão que resultaram em duas prisões em flagrante durante Operação Glasnost, que combate a exploração sexual de crianças e o compartilhamento de pornografia infantil na internet em Pernambuco e mais 13 estados brasileiros.

No computador apreendido nas casa dos suspeitos, dois professores que acabaram presos, foram encontrados material pornográfico infantil. As buscas foram feitas em Ouricuri e no Alto do Mandú, no Recife. Os trabalhos foram realizados por oito policiais federais distribuídos em duas equipes. Os nomes dos presos não serão divulgadas. A PF teme provocar revolta na população.

No Recife, o preso é um professor de 39 anos. Ele admitiu ter sido usuário do site russo onde acessava não só material pornográfico infantil como também outro tipo de pornografia. O material pornográfico-infantil foi encontrado em um pen drive, mas também foram apreendidos na casa dele um notebook, dois discos de armazenamento de dados e um aparelho celular que passarão por perícia telemática para identificar todos os arquivos armazenados. De acordo com as investigações, o preso não mantinha relação sexual e nem molestava crianças, mas cometeu o crime de armazenar conteúdo pornográfico infantil. Após autuação em flagrante, ele deverá pagar fiança no valor de cinco salários mínimos, ou R$ 4.685, fazer exame de corpo de delito no Instituto de Medicina Legal (IML) e em seguida será liberado para responder processo em liberdade. 

Em Ouricuri, foi preso o professor de 35 anos. Na casa dele foi encontrado material pornográfico-infantil armazenado em um disco rígido e também três discos de armazenamento de dados e um aparelho celular que também passarão por perícia. Também foi encontrado na residência do suspeito uma identidade de uma criança falsificada. O flagrante está em andamento e será arbitrada o valor da fiança. caso o valor seja pago, o suspeito será liberado para responder processo em liberdade. Caso contrário, será encaminhado para o presídio de Salgueiro. Não ficou comprovado se o preso mantinha relação sexual ou molestava crianças.

Ambos foram indiciados pelo crime contido no Estatuto da Criança e do Adolescente (Artigo 241-B da Lei 8.069/90) por possuir ou armazenar, por qualquer meio, fotografia, vídeo ou outra forma de registro que contenha cena de sexo explícito ou pornográfica envolvendo criança ou adolescente. A pena é de um a quatro anos de prisão. Caso seja comprovado que as imagens e vídeos foram compartilhados, a pena passa a ser de três a seis anos de reclusão.

Brasil - Até por volta das 10h30, trinta pessoas haviam sido presas na Operação Glasnost, que investiga crimes de pedofilia na internet. Em entrevista coletiva, o delegado da Polícia Federal (PF) Flávio Augusto Palma Setti disse, que entre os presos da estão pais que abusavam das próprias filhas, familiares ou pessoas do convívio dos menores, um homem de 80 anos, professores, médicos, estudantes, e até funcionários públicos, do poder Executivo, que usavam computadores públicos pra compartilhar o conteúdo criminoso.

Ao menos 15 vítimas já foram identificadas, conforme a PF, mas o número pode ser ainda maior depois que a polícia fizer o balanço final das ações de hoje. O delegado afirmou ainda que o número de abusadores também pode ir além dos que constam na investigação da Operação Glasnost, nome em referência ao termo russo que significa 'transparência'. Ele afirmou que, considerando as duas fases, é uma ação de grande repercussão da PF sobre o tipo de crime. "Há repercussão em vários estados, cerca de duas centenas de alvos e presas mais de 60 pessoas entre a primeira e segunda fase (da Glasnost)", afirmou.
Reincidentes
Chamou a atenção da polícia, em um dos casos investigados, a prisão de uma mulher. De acordo com a PF, ela e demais familiares e outras pessoas do convívio familiar praticavam os crimes contra menores. A PF também destacou a considerável quantidade de pessoas que já foram presas mais de uma vez pelo mesmo crime, inclusive em meio às duas etapas da investigação. "Houve casos de pessoas que tiveram a terceira prisão pelo mesmo crime", afirmou o delegado Flávio Augusto Palma Setti.

O delegado também ressaltou que a Polícia Federal seguirá com a investigação, já que o órgão tem que cumprir o seu papel, de identificar o que está acontecendo e prender os responsáveis. Ele destacou que são vários os servidores usados para o crime na internet, em vários países. Além do servidor russo, que desencadeou a Operação Glasnost, a PF afirma que segue monitorando "dia a dia e buscando identificar os responsáveis".

As investigações foram iniciadas em 2010, com a prisão de um suspeito que citou um site russo que era utilizado como uma espécie de "ponto de encontro" de pedófilos do mundo todo". A primeira fase da Glasnost ocorreu três anos depois, em novembro.

Ações em 14 estados
Na segunda fase, realizada hoje, cerca de 350 agentes federais foram às ruas para cumprir 77 ordens judiciais em 51 municípios de 14 estados brasileiros. De acordo com a Polícia Federal, do total de mandados judiciais, 72 são de busca e apreensão, três de prisão preventiva e dois de condução coercitiva, quando a pessoa é levada à força para depor. Os estados onde ocorreram as buscas são: Paraná, Santa Catarina, Rio Grande do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Goiás, Ceará, Pernambuco, Bahia, Maranhão, Piauí, Pará e Sergipe.

Antes desta etapa, a PF cumpriu ainda medidas urgentes nas cidades de Osasco (SP), Presidente Prudente (SP), Porto Alegre (RS), Vila Velha (ES), Jundiaí (SP), Praia Grande (SP), Campo Grande (MS) e Cachoeira do Itapemirim (ES). As ações foram possíveis por conta da identificação de casos concretos de abusos sexuais contra crianças.

Com informações do Correio Braziliense

Nenhum comentário :

Postar um comentário