segunda-feira, 30 de maio de 2016

Relatório que pedirá a cassação de Cunha será divulgado nesta segunda

Folhapress

O relatório do deputado Marcos Rogério (DEM-RO) sobre o processo de cassação de Eduardo Cunha (PMDB-RJ) será apresentado nesta segunda-feira (30) no Conselho de Ética da Câmara. Rogério irá pedir a cassação do mandato do presidente da Câmara afastado.

Segundo a reportagem apurou, o relator irá definir como motivo para a perda do mandato de Cunha a afirmação de que ele mentiu à CPI da Petrobras ao negar, em março de 2015, ter "qualquer tipo" de conta fora do país.

Meses após esse depoimento descobriu-se a existência de dinheiro na Suíça vinculado a Cunha, em contas abastecidas, segundo a Procuradoria-Geral da República, com dinheiro desviado do esquema de corrupção da Petrobras.

Rogério avalia ainda, segundo integrantes do Conselho, se irá incluir em seu voto a acusação de recebimento de propina.

Cunha começou a responder ao processo só pela suposta mentira na CPI. No decorrer da investigação, porém, o Conselho recebeu documentos e depoimentos apontando o recebimento de propina.

A dúvida do relator se dá devido à decisão do presidente interino da Câmara, Waldir Maranhão (PP-MA), segundo quem a inclusão de novas acusações no decorrer da instrução é motivo de anulação do processo sob o argumento de ofensa ao amplo direito de defesa.

Cronograma

Cunha é réu no Supremo Tribunal Federal e responde a denúncia, inquéritos e pedidos de abertura de inquérito sob acusação de integrar o petrolão. O peemedebista foi afastado pelo STF no dia 5 sob o argumento de que usava o mandato e o cargo para obstruir a Justiça e o seu processo de cassação.

O deputado nega todas as acusações e diz não ter mentido, já que não seria o titular formal dos R$ 9 milhões bloqueados na Suíça, dinheiro que ele repassou a trusts, instituições que administram bens e direitos de terceiros.

Apesar do anúncio da data da apresentação do relatório final, o cronograma do desfecho do caso ainda é uma incógnita.

Isso porque ele e aliados vão tentar anular o trabalho do Conselho com recursos na Câmara e no Supremo Tribunal Federal. Em ocasiões anteriores, eles já tiveram sucesso, como a troca de relator e a anulação de votação do parecer preliminar. Com isso, o processo contra Cunha se tornou o mais longo da história.

Há sobre a mesa de Maranhão, que é aliado de Cunha e que já deu decisão favorável a ele no processo, recursos para anular parte do trabalho do Conselho sob o argumento da existência de vícios formais.

Caso Maranhão não determine nenhuma reviravolta, a intenção da cúpula do Conselho é iniciar a votação nos primeiros dias de junho. Como haverá pedido de vista do relatório, a votação final no Conselho deve ocorrer só na segunda semana de junho.

A decisão do órgão será submetida ao plenário da Câmara, em votação aberta. Cunha perde o mandato caso votem nesse sentido pelo menos 257 dos seus 512 colegas.

Aliados do peemedebista dizem, porém, que têm maioria no Conselho e que vão trabalhar para aprovar um relatório paralelo ao de Rogério com a aplicação de uma punição mais branda, como uma censura ou suspensão do mandato.

Nesse caso, há ainda uma indefinição jurídica na Câmara se o plenário poderá votar a cassação. Segundo aliados de Cunha, nesse caso cabe ao plenário apenas confirmar a punição mais branda ou decidir não aplicar nenhuma punição.

Brasil não empolga, mas vence Panamá em amistoso preparatório para a Copa América Centenário

Folha de Pernambuco

Um futebol sem brilho, com pouca atitude e que ainda necessita de muitos ajustes para a estreia na Copa América Centenário. Esta é a Seleção Brasileira do técnico Dunga, que não empenhou muito esforço para derrotar a fraca seleção do Panamá por 2x0, na madrugada desta segunda-feira, em Denver, nos Estados Unidos, em amistoso preparatório para a competição. Agora, a Canarinho foca as atenções na estreia contra o Equador, no próximo sábado (04), no Estádio Rose Bowl, em Los Angeles (EUA).

A vitória brasileira foi construída com um gol em cada tempo. No primeiro, logo aos dois minutos de partida, o lateral-esquerdo Douglas Santos, ex-Náutico, bateu cruzado para a área, após jogada pela esquerda. O volante Elias tentou o desviou, mas foi travado pela marcação. A bola sobrou para o atacante Jonas, que chutou de esquerda para abrir o placar.

O segundo tento verde e amarelo surgiu apenas aos 27 minutos da etapa complementar. Com o jovem atacante Gabriel, um dos estreantes do dia na seleção principal. Depois de falha de Baloy, do Panamá, o santista, que havia acabado de entrar, recebeu a bola livre de marcação, já dentro da área, e bateu no canto esquerdo do goleiro, selando o triunfo brasileiro.

O JOGO

O brilho que se espera da Seleção Brasileira mais uma vez não apareceu. Mesmo diante de uma presa fácil como o Panamá, candidato ao título de saco de pancadas na Copa América. Inofensivo, não ofereceu trabalho à defesa verde e amarela. Pesou também a baixa qualidade técnica dos panamenhos, que, durante boa parte do jogo, atuou com praticamente todos os atletas atrás da linha bola na tentativa de dificultar a criação de jogadas dos brasileiros.

Mesmo com mais qualidade que o adversário, o time de Dunga pouco conseguiu fazer para tentar criar os espaços. Consequência da ausência de atitude da equipe brasileira, visivelmente em ritmo de treino. Philippe Coutinho era o jogador mais lúcido, porém, sem a ajuda dos companheiros, não conseguiu mudar o panorama da partida.

Roteiro semelhante se desenhou no segundo tempo de jogo, que por vezes ficou sonolento. O Brasil seguia com mais posse de bola, mas continuava criando pouco. Situação que melhorou um pouco depois das entradas de Hulk, Lucas Lima e Gabriel, autor do segundo gol brasileiro. Mas nada de brilho, apenas o suficiente para sair do placar mínimo.

Prefeitura de Gravatá recupera veículos do município

Ao todo, 16 carros já estão em circulação na cidade (Foto: Divulgação)

Com a manutenção de veículos públicos que estavam parados, a Prefeitura de Gravatá recuperou, ao todo 16, carros que já estão em circulação na cidade. O gestor do município, Mário Cavalcanti, esteve, neste domingo (29), no Pátio de Eventos Chucre Mussa Zarzar, no Centro, onde fez uma inspeção nos veículos.

Em conversa com os condutores, Mário abordou as dificuldades financeiras que o município passa e os esforços para realizar esse trabalho de recuperação de frota.

“Não medimos esforços para realizar a manutenção nos veículos; temos conhecimento de outros que também precisam de reparos. Por isso, pedimos a colaboração de todos para cuidar destes veículos que são patrimônio do município e que servem para o uso dos cidadãos de Gravatá”, enfatizou.

A maior parte dos veículos recuperados são da Secretaria de Saúde. Cinco ambulâncias, entre elas dois Fiat Doblô, que foram adquiridos novos em 2015, passaram por manutenção e já estão em atendimento aos usuários do Sistema Único de Saúde (SUS) – três gols também foram recuperados. Além deles, também receberam reparos quatro motocicletas, uma S10 e um Fiesta da Guarda Municipal. Em atendimento à Secretaria de Educação, dois ônibus também receberam a manutenção para voltar a circular com o transporte de estudantes.

Bruno Ribeiro: Aliança com Armando é prioridade

Presidente do PT, Bruno Ribeiro confessou que partido está sempre em contato com o senador (Foto: Jedson Nobre/Folha de Pernambuco)

Blog da Folha

Apesar do PTB ter se posicionado pelo impeachment da presidente Dilma Rousseff, o PT de Pernambuco colocou como prioridade a aliança com o senador Armando Monteiro Neto (PTB) nas eleições municipais deste ano. A posição foi orientada pela Executiva Nacional, que prioriza a coligação com legendas que estiveram com o Partido dos Trabalhadores – casos do PDT, PCdoB e Psol – e aliados ditos independentes de suas siglas.

Para firmar a aliança, lideranças do PT como o senador Humberto Costa, a deputada Teresa Leitão, o ex-prefeito João Paulo, e o presidente do partido em Pernambuco, Bruno Ribeiro, tem conversado com Armando Neto. O petebista foi candidato ao governo do Estado em 2014 e contou com o apoio do próprio Partido dos Trabalhadores.

“É prioridade a aliança com Armando. Tivemos uma aliança em 2014, um palanque com a presidente Dilma Rousseff (PT). Ele sempre foi muito correto. Sempre esteve em defesa da democracia. Defendeu o mandato de Dilma contra o golpe”, afirmou Bruno Ribeiro, ao Blog da Folha.

Na reunião deste fim de semana, o diretório regional deliberou que no próximo encontro, no dia 18 de junho, serão definidas as táticas eleitorais do partido para o pleito deste ano. Nesta data, o partido possivelmente terá algumas postulações adiantadas. O nome do ex-prefeito João Paulo e de Teresa Leitão seguem fortes para as candidaturas nos municípios do Recife e Olinda, respectivamente.

“A nossa reunião será no dia 18 e até o dia 17 orientamos os municípios a fechar as suas táticas eleitorais. As reuniões com todos os municípios estão em curso, inclusive no Recife, que estão discutindo sobre sua posição de candidatura própria”, explicou.

Nova explosão no Complexo do Curado

Folha-PE

Mais uma bomba explodiu na área do Complexo Prisional do Curado, na zona oeste do Recife. A explosão aconteceu por volta das 18h20, no posto 10 do Presídio Aspirante Marcelo Francisco de Araújo (Pamfa), em um dos muros na rua Santana do Ipanema. Não houve fuga.

Por conta da ocorrência, moradores da região protestaram na avenida Liberdade. O Batalhão de Choque e o Corpo de Bombeiros estiveram no local.

Os moradores pediam, como em outros momentos, que o presídio seja retirado do local - e não que eles sejam realocados para a ampliação do espaço de segurança, como propôs o governo com uma série de desapropriações.

A explosão deixou um buraco de cerca de um metro de diâmetro no muro. Testemunhas no local afirmam ter visto um homem deixar o artefato explosivo, mas há diferentes versões sobre se ele teria chegado à pé ou em uma moto. 

Segundo moradores da região, que entraram em contato por meio do WhatsApp da Folha (9.8187.9290), o barulho da detonação foi ouvido na área - além de um tremor. "Ouvimos uma grande explosão aqui no Curado II, a 3 km de distância", disse um dos leitores, que preferiu não se identificar. "Não sei informar se danificou algo por lá, mas o impacto foi maior do que da vez anterior", afirmou outro.

Um agente penitenciário chamado Isaac José da Silva ficou ferido e foi atendido no Hospital dos Servidores, no bairro das Graças.teria sido baleado durante a ocorrência e então levado para o Hospital Otávio de Freitas. 

A Secretaria Executiva de Ressocialização (SERES) emitiu uma nota no fim da noite. Confira na íntegra:

A Secretaria Executiva de Ressocialização (Seres) informa que por volta das 18h30, deste domingo (29), foi registrada no Presídio Marcelo Francisco de Araújo (Pamfa), no Complexo do Curado, uma explosão do muro, proveniente da área externa da unidade, sem fuga. Na ocasião, o agente penitenciário Isaac José da Silva ficou ferido e foi atendido no Hospital dos Servidores de onde já recebeu alta. A Polícia Civil foi acionada para apurar as circunstancias em que o fato ocorreu. Estão na unidade a Polícia Militar, além da Superintendência de Segurança Prisional, Gerência de Inteligência e Grupo de Operações e Segurança, ambos da Seres.

Operação desarticula grupo que queria fraudar concurso da PM

Folha-PE

A Polícia Civil deflagrou, na manhã de domingo (29), uma operação com objetivo de reprimir uma associação criminosa que tinha o intuito de quebrar o sigilo e a segurança do concurso da Polícia Militar de Pernambuco. De acordo com o delegado Joselito Amaral, 13 pessoas foram detidas, sendo um deles o líder do esquema criminoso.

O grupo desarticulado pela operação “Ponto Eletrônico” pretendia atuar em diversos locais do prova do certame, tanto no Recife como em outras cidades do Estado. As ações vinham sendo monitoradas há um mês e utilizariam um sistema de ponto eletrônico para repassar as informações.

O equipamento é de alta tecnologia, utilizando também micro-chips. Segundo o delegado, não há envolvimento da organização e o concurso será mantido.

Com o líder também foi apreendido um veículo Honda Civic, com materiais. Tanto os presos em flagrante quanto o material apreendido foram encaminhados para o Grupo de Operações Especiais (GOE), da Polícia Civil.

Participaram da ação 50 policiais civis – entre delegados, agentes e escrivães – e 162 policiais militares.

domingo, 29 de maio de 2016

Petrolina, oásis para o comércio

Thatiana Pimentel
Diário de Pernambuco

Petrolina – As vendas no varejo brasileiro registraram em 2015 a maior queda em 12 anos em meio ao cenário de recessão econômica, puxado por perdas em segmentos importantes como móveis e combustíveis. No ano passado, as vendas caíram 4,3% sobre 2014, informou o IBGE. Em Pernambuco, o resultado foi ainda pior que o nacional, com perdas de 7,7%. Enquanto isso, lá no Sertão, na divisa de Pernambuco com a Bahia, Petrolina reluz em meio à retração, com um crescimento real (descontada a inflação) de 2%. O percentual também está sendo esperado para 2016, mesmo sendo este um ano sombrio para o comércio no Brasil.

Além desse “bem-estar econômico”, o município é o 6º maior PIB de Pernambuco e tem o 6º maior Índice de Desenvolvimento Humano (IDH) e o 10º maior Índice de Desenvolvimento da Educação Básica (Ideb) do estado. Como explicar? Basicamente, o diferencial de Petrolina está na fruticultura irrigada e na exportação. Com o processo irrigado, há safras o ano todo. Com a exportação, vendas são em dólar, moeda em alta. Em Petrolina, a maior ameaça é hídrica.

“Temos uma economia baseada na atividade primária e que emprega grande parte da população local. E, por sermos um polo regional, pois estamos distantes do Recife e de Salvador (700 km e 500 km respectivamente), o dinheiro da fruticultura fica aqui e nosso objetivo é sempre fazer esse dinheiro circular”, afirma o prefeito Júlio Lóssio. Dinheiro este que não é pequeno, uma vez que Petrolina exporta hoje 92% da manga e 95% da uva produzida em todo país, o que totaliza um volume de cerca US$ 100 milhões por ano.

A explicação é compartilhada por Valdivo Carvalho, diretor da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Petrolina, que estima um crescimento de vendas de 2% no comércio da cidade para 2016. “Acredito que temos uma posição geográfica privilegiada. Quem recebe aqui e nas cidades próximas gasta aqui porque somos o município mais desenvolvido num raio de 200 quilômetros. Além disso, nossos empreendedores trabalham com planejamento. A cultura de negócios local é pensada sempre a médio e longo prazos. É como se sempre estivéssemos nos preparando para uma crise.” Ele reforça também que a baixa inadimplência dos moradores faz com que o crédito e o consumo permaneçam ativos em Petrolina.

Joaquim Castro, presidente do Sindicato dos Lojistas (Sindlojas) da cidade, não é tão otimista. Para ele, em relação ao faturamento pode haver queda de 3% no comércio da cidade neste ano. Ainda assim, diante da previsão de perdas de até 10% para Pernambuco, a redução em Petrolina pode ser vista mais como uma desaceleração do que retração. “Não estamos blindados contra a crise. O que acontece é que temos uma economia com foco na fruticultura irrigada e isso é único. Os índices de desemprego e queda de renda do resto do Brasil não estão no mesmo ritmo que os nossos.” O varejo agradece.

Charge do Clayton - O Povo(CE)


60% das cidades terão rombo nas contas

Agência Estado

Num efeito dominó, o rombo dos orçamentos públicos chegou ao elo mais fraco: as prefeituras. Com caixa mais apertado e pouca capacidade de arrecadação, os prefeitos têm lançado mão de várias medidas para fechar as contas: a lista do ajuste municipal inclui desde a demissão de funcionários até a redução do horário de expediente dos órgãos públicos. O malabarismo, porém, não deve ser suficiente: mais de 60% das prefeituras vão terminar o ano no vermelho, segundo pesquisa da Confederação Nacional dos Municípios (CNM).

A deterioração das contas dos municípios, assim como vem ocorrendo com os governos estaduais, tem como pano de fundo a grave crise fiscal que assola o Brasil. No caso dos Estados, o problema foi agravado pela combinação entre aumento da dívida e crescimento das despesas com pessoal.

Nas prefeituras, o nó está na alta dependência das verbas da União. Com arrecadação mais fraca desde o ano passado, os prefeitos têm sido afetados pela queda nos repasses públicos. Hoje apenas 10% dos 5.570 municípios do País têm arrecadação própria suficiente para bancar suas despesas.

Na maioria dos casos, a principal fonte de recursos é o Fundo de Participação dos Municípios (FPM), composto pela arrecadação do Imposto de Renda (IR) e Imposto sobre Produto Industrializado (IPI). E qualquer corte nesse fundo faz um estrago enorme nos cofres dos municípios.

Com a recessão econômica, que derrubou a arrecadação dos governos federal e estaduais depois de quase uma década de alta ininterrupta, os repasses começaram a minguar. No ano passado, o FPM teve queda real (descontada a inflação) de 2,3% e, neste ano de 13,7% até abril. Enquanto isso, as despesas com pessoal - principal gasto das prefeituras - e custeio continuaram a crescer. Só o piso salarial dos professores subiu 11,36%.
O resultado dessa equação não tem sido positivo: falta dinheiro para pagar salário, fazer obras de infraestrutura, comprar remédios, abastecer os veículos e garantir a merenda escolar. “Ao contrário dos Estados, que têm elevado endividamento, o problema dos municípios está mais associado à queda de arrecadação e ao aumento de gastos. Eles não têm para onde correr para se financiar”, afirma o consultor em contas públicas Raul Velloso.

A situação é tão grave que entrou no conjunto de prioridades do presidente em exercício Michel Temer. Em seu primeiro discurso, ele falou da necessidade de uma reformulação do pacto federativo que hoje provoca desequilíbrio entre as três esferas públicas na repartição dos tributos. “Estados e municípios precisam ganhar autonomia verdadeira sobre a égide de uma federação real, não sendo uma federação artificial, como vemos atualmente”, afirmou.

PMDB e PT se afastam na disputa municipal

Aliados em 2012, PT e PMDB planejam lançar candidaturas próprias em Maceió. Em São Luís, Cuiabá e Manaus os partidos não repetirão a aliança das eleições passadas
Foto: Montagem JC

Estadão 


Das oito capitais onde houve aliança entre PT e PMDB em 2012, apenas uma delas, Aracaju, deve repetir o acordo, segundo levantamento do Estado. O confronto em nível federal entre as duas legendas por causa do impeachment da presidente Dilma Rousseff é uma das causas do divórcio, assim como resolução do Diretório Nacional do PT de restringir alianças municipais com siglas favoráveis ao impedimento da petista. A determinação, no entanto, abre brechas para acordos pontuais.

Em Aracaju, por exemplo, a ação do governador Jackson Barreto (PMDB) contra o impeachment foi decisiva para a manutenção da aliança. O mais provável é que o PT apoie o peemedebista Zezinho Sobral. "Ficamos isolados do PMDB nacional, mas temos ligação antiga com o PT e participamos do movimento contra o impeachment desde o início", disse o presidente do PMDB de Sergipe, João Augusto Gama. "Nossa relação com o governador é muito forte, ele teve posição muito definida a favor da presidente. É muito difícil a gente não fazer aliança com o PMDB", disse o presidente do PT-SE, Rogério Carvalho.

Em Belo Horizonte,Cuiabá, Goiânia, Maceió, Manaus, Rio de Janeiro e São Luís deve ocorrer o contrário.

No Rio, o impeachment foi decisivo para a saída do PT da coligação em torno da candidatura do secretário municipal de Coordenação de Governo, Pedro Paulo Carvalho Teixeira (PMDB), escolhido pelo prefeito peemedebista Eduardo Paes. Os petistas devem apoiar a candidatura da deputada Jandira Feghali (PCdoB). A aliança PT-PMDB está garantida, no entanto, em Maricá e em negociações avançadas em Japeri e Queimados, municípios na região metropolitana.

ESTRATÉGIA

Na capital mineira, haverá um afastamento "estratégico" para as eleições de outubro sem configurar litígio entre as duas legendas, segundo a presidente do PT em Minas, Cida de Jesus. "Não tem crise entre PT e PMDB (em Minas). Em dezembro do ano passado, o PT de Belo Horizonte já havia decidido por candidatura própria, é uma questão de tática eleitoral. Eleições municipais sempre foram muito localizadas, não há essa questão de nacionalizar ou estadualizar", disse.

Seis deputados do PMDB mineiro votaram a favor do impeachment, inclusive Mauro Lopes, que três dias antes da votação na Câmara era ministro da Secretaria de Aviação Civil de Dilma. Para Cida, "PT e PMDB em Minas têm um projeto construído em 2014. Por mais que a oposição queira, esse projeto não está abalado".

Em Goiânia, apesar de ocupar a vice-prefeitura, o PMDB lançará candidato em oposição ao prefeito petista Paulo Garcia. Dirigentes locais dos partidos dizem que o afastamento ocorreu antes do impeachment. "Não há possibilidade de estarmos juntos agora. Mas não temos problemas com o PMDB aqui, vamos avançar (na candidatura própria) e quem sabe discutir aliança no 2º turno", afirmou o presidente do PT goiano, Ceser Donisete. Em duas cidades importantes, Aparecida de Goiânia e Anápolis, a aliança PMDB-PT deverá ser mantida.

Aliados em 2012, PT e PMDB planejam lançar candidaturas próprias em Maceió. Em São Luís, Cuiabá e Manaus os partidos não repetirão a aliança das eleições passadas e lançarão candidatos ou estarão coligados a outros partidos. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Sport perde para o Corinthians e amarga lanterna no Brasileirão

No início do jogo, o Sport demonstrou mais objetividade em campo
Diego Nigro/JC Imagem

JC Online

O Sport começou o jogo dando a impressão de que ia conquistar a primeira vitória no Brasileirão deste ano. Ledo engano. Mas o tempo passou e mostrou o quanto o Leão vai mal das pernas perdendo por 2x0 e, se não se reforçar logo, já é um forte candidato ao rebaixamento. Falta muito ainda, mas é a impressão que já dá. Até porque, se não fosse o goleiro Magrão, a goleada seria inevitável.
No início do jogo, com um esquema em que, nitidamente, passou a chegar forte ao ataque, o Sport demonstrou mais objetividade em campo. Tanto que, logo aos oito, o estreante atacante Edmílson recebeu uma bola de Samuel Xavier e meteu um balaço no travessão do goleiro Walter.

O Leão continuou com maior posse de bola e com mais objetividade do que o Corinthians. Mesmo assim, aos 27, numa bobeira do sistema defensivo leonino, Magrão fez o primeiro milagre do dia após chegada perigosa do meia Marquinhos Gabriel.

Até então a chuva dava um clima mais ameno na Ilha do Retiro. Dava. Porque, a partir dos 35, o sol ressurgiu com tudo, deixando o clima no estádio literalmente quente. Mas os pernambucanos continuaram pressionando mais, mesmo sem ainda ter o entrosamento necessário entre Edmílson e o resto do time.

Na etapa complementar, os rubro-negros até começaram indo pra cima, mas acabaram logo sentindo o forte calor. Já os corintianos continuaram postados lá atrás, só explorando os contra-ataques. Foi quando, aos sete, apareceu o segundo milagre de Magrão, novamente num lance cara a cara com Marquinhos Gabriel.

Sentindo o cansaço dos leoninos, o técnico corintiano, Tite, resolveu sacar Luciano para colocar o veloz Lucca. E a mudança surtiu efeito. Aos 24, de cabeça, o próprio Lucca abriu o marcador na Ilha. Vendo o time totalmente perdido em campo, o técnico Oswaldo de Oliveira só fez a primeira mudança após os 30. Muito ruim em campo, saiu o lateral-esquerdo Renê e entrou o meia ofensivo costa-riquenho Rodney Wallace, que também estreou no time.

Mas nada disso adiantou. Aos 33, o ex-rubro-negro Marquinhos Gabriel fez um golaço do lado esquerdo da área. A partir daí, o que se ouviu na Ilha foi "olé", da torcida do Corinthians; e "fora Martorelli", dos rubro-negros. E quarta-feira, já tem clássico contra o Santa Cruz... 

As megadelações da Odebrecht e OAS vêm aí

Lauro Jardim
O Globo

Quem imagina que a Lava-Jato caminha para o fim, que bote as barbas de molho.

A delação premiada da Odebrecht deve envolver entre 45 e 50 executivos e ex-executivos do grupo.

A colaboração da OAS reunirá um time de quinze executivos da empreiteira baiana.

Em ambos os casos, as estrelas dos depoimentos são os ex-presidentes Marcelo Odebrecht (à esquerda) e Léo Pinheiro.

De acordo com o que está sendo negociado, a OAS incluirá Geddel Vieira Lima e Aécio Neves na roda.

A propósito, a delação da Odebrecht está caminhando muito bem, obrigado.

Ou seja, a metralhadora ponto 10, a que José Sarney se referiu, está prestes a disparar.

Juiz Moro diz no TCE-PB que não basta aplicar pena. É preciso recuperar produto do crime

Tribunal de Contas do Estado da Paraíba-TCE-PB
BFS_7248O juiz Sérgio Moro, responsável pela Operação Lava Jato – que apura propina e desvio de recursos da Petrobras, disse, no Tribunal de Contas da Paraíba, em João Pessoa, que não basta a punição judicial aos condenados nas operações, mas também é preciso a recuperação do produto do crime. “É preciso saber que o crime não pode compensar. Não é somente a punição”, disse ele, ao alertar que no Brasil há uma certa morosidade para se chegar ao julgamento final de um caso, situação que, em muitas situações, prejudica a relação com países que exigem a definição dos casos para repatriação de valores, apesar de considerar que os processos no País são mais complexos.
BFS_6969A declaração do juiz Sérgio Moro foi feita em sua palestra na conferência sobre corrupção, no auditório do TCE-PB . Ele e os professores Marcílio Franca, Andreas Ziegler e Sérgio Moro falaram de temas relativos a sigilo bancário, ilícitos nos negócios com obras de arte e a cooperação além-fronteiras nas ações de combate aos desvios de recursos públicos. Ziegler, professor da Universidade de Lausanne, da Suíça, falou das transformações existentes naquele país, no que concerne ao sigilo bancário, ressaltando os acordos bilaterais de cooperação, existentes entre os países, que possibilitaram maior transparência e controle financeiro, especialmente para saber a origem dos depósitos bancários.
O professor Marcílio Franca abordou as relações entre o direito e a arte no campo administrativo, constitucional e penal, este último vinculado aos atos de corrupção e lavagem de dinheiro. Marcílio levantou vários aspectos que interagem por meio da linguagem. Adiante exemplificou a relação com o Poder Público e citou como exemplo uma licitação pública destinada à aquisição de obra de arte para visualização de uma praça, que apesar de regular, formou a vinculação, para no futuro e em outras situações, aparecer entre os atos de corrupção nas justificativas de lavagem de dinheiro.
BFS_7256O juiz Sérgio Moro, antes de iniciar sua fala, vinculou etapas da Operação Lava-Jato aos atos que se relacionam com o tema abordado pelo professor Marcílio, com a mesma natureza, citando os milhões de Reais que estão sendo repatriados com a recuperação de obras de arte, material sequestrado nas operações da Polícia Federal e que se encontram sob a guarda do Museu Oscar Niemeyer.
Sérgio Moro buscou mostrar no tema de sua conferência a trajetória dos dinheiros provenientes de propinas, a partir da origem para os paraísos fiscais, demonstrando a preocupação com o rastreamento, depois das fronteiras. Ele fez um retrospecto de como o esquema de propina oriundo de recursos da Petrobrás, atuava em operações de offshorer, o seja, o dinheiro saia pelos operadores para os paraísos fiscais e voltava para a origem, passando por um labirinto de lavagem em paraísos fiscais.
ARTURNo final do evento, o Juiz Sérgio Moro foi homenageado pelo Tribunal Regional do Trabalho – TRT, com a medalha do Mérito Judiciário, e recebeu também, do presidente do Tribunal de Contas do Estado, Conselheiro Arthur Cunha Lima, a medalha Cunha Pedrosa, maior condecoração da Corte à uma personalidade que se destaca no mundo jurídico e administrativo do Estado.

Herança arquitetônica esquecida em Olinda

Marcílio Albuquerque
Folha-PE

Mais de 8 mil km separam o Brasil de Portugal. Semelhanças e particularidades permeiam esse caminho banhado pelas águas do Atlântico. Para além do apanhado cultural, é na arquitetura onde são encontrados alguns dos laços mais próximos entre os dois países. Conhecida por sua imponente muralha, a cidade de Óbidos, a 80 km de Lisboa e quase 900 anos de fundação oficial, se mostra como um pouco de Olinda dentro do território Europeu. O casario histórico com herança dos mouros, suas ladeiras, sacadas com janelas trazem a atmosfera da Marim dos Caetés. Ambas são tombadas como patrimônio histórico da humanidade. A barreira, no entanto, fica por conta da preservação. Ao contrário do cenário intacto desde os tempos medievais, do lado de cá grande parte dos elementos se perdeu. Sem penar com a falta de conscientização dos habitantes e a carência de políticas efetivas para manutenção do patrimônio, o vilarejo lusitano acende o alerta.
A arquiteta pernambucana Vera Barreto esteve em Óbidos, conhecida como terra de nobres desde o século 13. Ela identificou as afinidades que saltam aos olhos nas moradias e no comércio que conseguem viver em harmonia. Óbidos tem também um imenso castelo, hoje servindo como pousada. A sensação, descreve, é de uma viagem no tempo sentindo, de imediato, o cuidado das pessoas com o lugar onde vivem.
    “Os moradores se detêm a pequenos detalhes nas cores azul ou amarelo, cultivam jardins vistosos e não se lançam a ampliar o que já têm. Tudo está conservado”, revelou. Segundo ela, o visitante consegue se perder entre as vias de paralelepípedos, igualmente cheias de turistas e áreas verdes. “Assim como Olinda, também é terra de artesanato, música e gastronomia. A diferença está na forma que eles enxergam tudo isso”, disse.

    Reprodução
    Cidade de Óbidos, a 80 km de Lisboa e quase 900 anos de fundação oficial, se mostra como um pouco de Olinda

    Semelhanças
    O reduto português soma algo em torno de 2,5 mil habitantes. O número se aproxima com a marca populacional encontrada no Sítio Histórico de Olinda, com cerca de 3 mil moradores. A fatia representa menos de 1% do universo de 380 mil pessoas apontadas pelo IBGE na cidade irmã do Recife, hoje com 481 anos de existência. Óbidos, um dia formou um presente do rei Diniz para a mulher Isabel, mantida como uma grande joia até hoje.


    Para o pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco, Cláudio Borba, ambas têm em sua formação a influência dos vários séculos de domínio mouro nas regiões de Centro e Sul de Portugal. “Olinda foi implantada apresentando similaridades relativas ao parcelamento do solo, ao traçado das vias e às escolhas de localização de marcos como templos católicos, largos e pátios. Entretanto, tem distinções ligadas à adaptação dessas características ao seu relevo, à constituição do solo e à proximidade do mar”, explicou.
    Perdas
    Para Borba, a arquitetura dos imóveis da Cidade Alta foi muito alterada ao longo de mais de 400 anos. Ele relembra que a área foi, até mesmo, incendiada durante a invasão holandesa. “No século 19 e início do século 20, império e primeira república, tivemos momentos de revisão dos motivos decorativos das casas urbanas das cidades brasileiras ao gosto neoclássico e eclético”, ressaltou.

    Quando a cidade tornou-se atraente para a fixação de artistas e intelectuais, nas décadas de 70 e 80, foi inevitável, ponderou Borba, que muitas alterações fossem realizadas no interior dos imóveis, inserindo características modernas, como plantas livres, mezaninos e terraços nos pavimentos superiores. “Porém, se a descaracterização se dissemina se perde o controle, perde-se a memória”.
    Ele citou situações semelhantes em cidades como Faro e Braga, além da brasileira São Luiz, no Maranhão. Da arquitetura mourisca, sobraram apenas dois sobrados em Olinda, sendo um na rua do Amparo e o outro remanescente na praça Conselheiro João Alfredo. Esse último, com sacadas geométricas, abrigou o Imperador Pedro II.
    Barateamento
    A presidente do Instituto de Arquitetos do Brasil em Pernambuco (IAB-PE), Vitória Régia Andrade, destacou elementos ausentes para unir Olinda aos cerca de 800 Patrimônios da Humanidade, eleitos pela Unesco em todo o mundo. “É algo que está intrínseco nos cidadãos, tem origem na falta de pertencimento com o lugar onde vivem. Hoje assistimos a proprietários que preferem construir um novo quarto ou mais um banheiro, em detrimento do valor afetivo do imóvel”, ressaltou.

    Segundo a gestora, a condição de capital também simboliza um peso neste processo. “Uma obra em uma casa com chancela de preservação chega a ser 50% mais cara que uma convencional, cabendo profissional habilitado. Por aqui se acaba fazendo de qualquer jeito, à revelia dos órgãos e pensando apenas na comodidade”, acrescentou.
    Dificuldades
    A visão é compartilhada pelo Doutor em Desenvolvimento Urbano e professor da UFPE, Tomás Lapa. Para ele, as dificuldades econômicas do País e do Estado acabam somadas às carências de preservação. “Muitos dos moradores até tentam, mas não dispõem de meios para manter sem descaracterizar. Por outro lado, as esferas a quem caberia esta competência acabam omissas, sem dispor de estrutura de acompanhamento”, afirmou.

    O urbanista lembra as políticas públicas da União Europeia para preservação cultural, imersas em legislações fortes e restritivas. “Os próprios habitantes se interessam em liderar projetos e capitanear recursos. São bem mais atuantes”, destacou.
    Já o gestor do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan), com sede em Olinda, Fernando Augusto Souza, parte em defesa. “Não se trata apenas do poder de polícia fiscalizadora, temos que trabalhar a educação patrimonial. A preocupação está em estimular as pessoas, promovendo o diálogo. Por meio de palestras e debates, é ensinado que preservar é uma forma de manter sempre vivo. Porém, estamos dentro de uma política nacional que ainda precisa respirar melhor”, disparou.
    Nas fachadas, a descaracterização
    No Sítio Histórico de Olinda o sol parece nascer mais cedo. São carros circulando desregradamente nas vias estreitas, estudantes em direção à escola, gente que chega a toda hora para visitar. É barulho, sujeira e muita deterioração. Enquanto sobrados seguem deteriorados, muros avançam e as fachadas vão ganhando revestimentos modernos, bem longe do que foram projetados.

    No alto dos seus 91 anos, vividos por ali, na ladeira da Misericórdia, a aposentada Arailde Botelho é uma das sobreviventes a invasão da cidade. “Gosto muito de morar aqui, mas sinto que o lugar já não vai muito longe. Falta vontade de fazer mais”, opinou.
    Na contramão dos pleitos de preservação, o microempresário Raiony Costa, 27, reclama. “Acabamos como prisioneiros do que é nosso. Qualquer intervenção acaba esbarrando em muita burocracia. Morar em um local antigo requer ainda mais a necessidade de reformas”, opinou o morador da rua Treze de Maio.
    À frente da Sociedade Olindense de Defesa da Cidade Alta (Sodeca), Edmilson Cordeiro pondera. “Todo o sistema é muito falho e acaba deixando brechas. Hoje temos enormes painéis de grafitagem nas paredes de um conjunto que é tombado. Não é a toa que, a todo o momento, vivemos sob a ameaça de perder esse título”, afirmou.
    O secretário de Meio Ambiente Urbano e Natural de Olinda, Helvio Polito, reconhece as dificuldades. “Diferente de outras cidades históricas, temos 80% das edificações usadas como residência, o que implica em novos formatos de família e a necessidade de alterações. Estamos em fase de conclusão de um plano de gestão que possibilitará identificar os principais problemas”, assegurou.
    Segundo ele, até dezembro, será montado uma espécie de escritório de assistência para pequenos reparos. “A ideia é de auxiliar os cidadãos em reformas emergenciais, produzindo menores impactos” disse.

    Grampos dificultam futuro de gestão Temer no Senado

    MARIANA HAUBERT
        LEANDRO COLON
        FOLHA DE SÃO PAULO

    As gravações que expuseram aliados do presidente interino, Michel Temer, incluindo dois senadores do PMDB, aprofundaram um ambiente de incerteza e preocupação no novo governo diante de uma margem apertada pró-impeachment de Dilma Rousseff no Senado.
    Não se trata tanto de risco político para o atual governo interino de volta da petista, mas mais de condições de governabilidade na Casa que irá julgar a manutenção ou não do cenário do impeachment.
    Soma-se a isso um cenário de crises menores, como a extinção e recriação do Ministério da Cultura e a falta de mulheres no primeiro escalão, que desgastaram Temer desde sua posse.
    Defensores de Dilma, hoje afastada por até 180 dias, avaliam que sua situação é "complicadíssima" e que é ainda cedo para prognósticos em um processo que deve terminar entre agosto e setembro.
    No entanto, a reação de alguns senadores do grupo que ainda não declarou voto no mérito do seu caso tem sinalizado alerta para Temer. O resultado final do impeachment tende a ser influenciado pelo sucesso ou não do governo interino e dos rumos da Lava Jato sobre o PMDB.
    "Achei o começo do Temer muito ruim e a votação, assim como ocorreu com Dilma, também vai levar em conta o conjunto da obra do governo. Não contem que essa votação [do impeachment] já está certa", disse Cristovam Buarque (PPS-DF), um dos 14 senadores que votaram a favor do afastamento de Dilma, mas não anunciaram posição sobre a condenação.
    Ao todo, 55 votaram pela abertura do processo, um voto a mais que o mínimo necessário para que seja condenada e deixe o cargo em definitivo. A conta hoje no Senado indica que a votação final do impeachment deve ser apertada. A tendência é que os 22 senadores que votaram com Dilma no dia 12 de maio, quando ela foi afastada, não mudem de posição porque integram a base fiel à petista.
    Três senadores não estiveram na sessão que afastou Dilma temporariamente. Deles, Pedro Chaves (PSC-MS), empossado no lugar do cassado Delcídio do Amaral ex-PT-MS), tende a se somar à bancada pró-impeachment.
    Jader Barbalho (PMDB-PA), em tratamento médico, é ligado às gestões petistas, mas seu filho é ministro da Integração Nacional de Temer. O senador não declara posição.
    Eduardo Braga (PMDB-AM) se opõe à saída de Dilma, mas sua presença é dúvida, pois está de licença médica. O presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL), não deve votar.
    Nesse cenário de possíveis 56 votos favoráveis à cassação, bastaria que três senadores votassem contra para que o patamar mínimo de 54 não seja alcançado. Se isso ocorrer, Dilma volta ao Planalto.
    Em meio a isso, petistas tentam articular a formação de um grupo suprapartidário de cerca de 30 congressistas que poderiam votar contra o impeachment mediante um acordo com Dilma para que, uma vez de volta, ela viabilizasse um caminho para convocar novas eleições.
    "O governo tem que agir rápido. Tem que convencer investidores nacionais e internacionais de que política econômica é para conter inflação e gerar empregos. O Senado se move pelo pensamento da sociedade", disse Antonio Carlos Valadares (PSB-SE).
    Para o senador, Temer só continuará no cargo até 2018 se a comissão especial do impeachment der um parecer favorável com fundamentação jurídica consistente e se, na área política, o presidente interino mostrar que "está fazendo seu dever de casa".
    Dilma deverá apresentar defesa prévia à Comissão Especial do Impeachment até quarta (1º). A petista é acusada de editar decretos de créditos suplementares sem aval do Congresso e de usar verba de bancos federais em programas do Tesouro, as "pedaladas fiscais". Sua defesa não vê elementos para condenação.

    OS INDEFINIDOS
    Os 14 senadores que votaram para afastar Dilma, mas não se posicionam sobre o julgamento final
    • Benedito de Lira (PP-AL)
    • Edison Lobão (PMDB-MA)
    • José Antonio Reguffe (s/ part.DF)
    • Fernando Collor (PTC-AL)
    • Hélio José (PMDB-DF)
    • José Maranhão (PMDB-PB)
    • Marcelo Crivella (PRB-RJ)
    • Roberto Rocha (PSB-MA)
    • Wellington Fagundes (PR-MT)
    • Acir Gurgacz (PDT-RO)
    • Cristovam Buarque (PPS-DF)
    • Omar Aziz (PSD-AM)
    • Raimundo Lira (PMDB-PB)
    • Antonio Carlos Valadares (PSB-SE)

    O povo merece respeito - Rogério Alves

    Esta é a rua comendador figueiroa no bairro do janga. Faz um mês que a prefeitura de Paulista escavou as galerias para desobstruir as mesmas e abandonaram a obra. Ficaram de retornar com novas tubulações e nada. Já entramos em contato com o sr. Jaime Domingos secretário de serviços públicos que por sua vez não resolve nada. Com as chuvas do inicio do mês ficamos ilhados. Rogério Alves

    Marcha das Vadias toma conta da Avenida Conde da Boa Vista

    Integrantes da Marcha das Vadias tomam em caminhada a Avenida Conde da Boa Vista,
    Ricardo B. Labastier/JC Imagem

    JC Online

    Com palavras de ordem, música e cartazes, os participantes da Marcha das Vadias paralisaram a Avenida Conde da Boa Vista na tarde deste sábado (28/05) na 6ª edição do evento. Um público colorido, jovem e alegre cantou várias vezes: “É pela vida das mulheres. Legalize, o corpo é nosso”; “Se a mulherada se unir, o machismo vai cair”; “Não te devo nada. Faço o que quiser, não mereço ser estuprada”. Pelo menos duas vezes, algumas participantes se deitaram no chão e repetiram a frase: “quando eu acordei, tinham 30 homens em cima de mim", lembrando estupro coletivo acontecido no Rio de Janeiro contra uma jovem de 16 anos. 

    Essa barbárie foi lembrada várias vezes durante a passeata com os manifestantes contando de um até 30. Cerca de duas mil pessoas participaram da Marcha das Vadias que fez uma concentração na Praça do Derby, passou por toda a Avenida Conde da Boa Vista e acabou na Pracinha do Diário de Pernambuco.

    Santa Cruz vacila no final e empata com a Chapecoense

    Blog do Torcedor

    Desta vez o Santa Cruz não foi eficiente. Segurou a Chapecoense por boa parte dos 90 minutos, mas no único vacilo sofreu o empate e acabou a quarta rodada do Campeonato Brasileiro da Série A com o placar de 1×1 na Arena Condá. Os gols da partida foram marcados por Arthur e Tiago Costa (contra). Por outro lado, a equipe coral continua invicta.

    Com o resultado, o Tricolor dorme neste sábado (28) na liderança do Brasileirão e vai secar o Grêmio, Internacional e Palmeiras no complemento da rodada. O próximo jogo da equipe coral na competição é o clássico contra o Sport, nesta quarta-feira, às 21h, no Arruda.

    O JOGO

    A partida começou com as duas equipes mostrando bastante dificuldade na construção das jogadas ofensivas. Como não estava conseguindo penetrar na defesa do Santa Cruz com a bola no chão durante o início do duelo, a Chapecoense utilizou o seu ponto forte: a bola aérea. Aos 10, depois da cobrança de escanteio, Kempes mandou de cabeça e a bola passou perto da meta do goleiro Tiago Cardoso. Foi o primeiro lance perigoso dos donos da casa.

    Durante os primeiros 20 minutos, a Chapecoense realizou a tradicional pressão do mandante em cima do visitante e só que conseguiu levar perigo nas jogadas de bola parada. Já o Santa Cruz esboçava investidas com o atacante Kenon pelo lado esquerdo, mas sempre errava no último passe. Apesar de não ter conseguido assustar a equipe catarinense, a defesa do Tricolor suportou os ataques sofridos.

    Durante todo o primeiro tempo, Keno foi a válvula de escape do time coral. Quando o Santa Cruz tinha a posse de bola, o camisa onze era lançado, mas não conseguiu completar as jogadas. Só que Keno não desistiu e o Tricolor manteve a sua característica: eficiência. O atacante não precisou usar a sua velocidade. Aos 37, ele levantou a bola na cabeça do pequenino Arthur que subiu mais alto que a defesa adversária e mandou para o fundo da rede. Foi o primeiro ataque do Tricolor na partida.

    Foto: Márcio Cunha/Estadão Conteúdo

    Na etapa final, o Santa Cruz manteve o mesmo estilo do primeiro tempo. Esperou a Chapecoense atacar para sair no contra-ataque. E logo aos 6, a segunda finalização coral. João Paulo lançou Wallyson pelo lado direito. Ele se livrou do marcador, invadiu a área, e bateu em cima do goleiro Danilo. Só quatro minutos depois, o time catarinense conseguiu assustar pela primeira vez na partida o Tricolor com a bola no chão. Silvinho saiu fazendo fila pelo lado esquerdo, invadiu a área e bateu na rede pelo lado de fora.

    Por baixo estava difícil. Então a Chapecoense seguia tentando por cima. Cleber Santana cobrou a falta na cabeça de Josimar que desviou e a bola tirou tinta do travessão. Durante todo o segundo tempo, os donos da casa pressionaram o Santa Cruz. Até o atacante Grafite estava no campo defensivo apoiando na marcação.

    Por mais que o Tricolor tenha conseguido segurar a vitória durante boa parte da partida, no único vacilo, sofreu o empate. Aos 38, Tiago Costa tentou afastar o cruzamento de cabeça e mandou contra o próprio gol. Os catarinenses ainda tentaram a virada, mas não tiveram sucesso. Já os pernambucanos terminaram o confronto bastante desgastados fisicamente e não conseguiram buscar a reação.

    FICHA TÉCNICA

    Chapecoense – Danilo; Cláudio Winck (Gimenez), Willian Thiego, Marcelo, Dener; Gil, Josimar (Hyoran), Cleber Santana; Lucas Gomes, Silvinho e Kempes (Bruno Rangel). Técnico: Guto Ferreira

    Santa Cruz – Tiago Cardoso; Léo Moura (Everaldo), Alemão, Danny Morais, Tiago Costa; Uillian Correia, João Paulo, Wallyson (Alex Bolaños); Arthur, Keno (Allan Vieira) e Grafite. Técnico: Milton Mendes.

    Local: Arena Condá, Chapecó (SC). Árbitro: Rafael Traci (PR). Assistentes: Pedro Martinelli Christino e André Luiz Severo (ambos do Paraná). Cartões amarelos: Cleber Santana (Chapecoense) Keno, Wallyson, Tiago Costa e Grafite (Santa Cruz). Gols: Arthur aos 37 do 1ºT e Tiago Costa, contra, aos 38′ do 2ºT. Público: 4.734 torcedores. Renda: 52.050 reais.

    sábado, 28 de maio de 2016

    5ª Reunião Extraordinária - Conselho Municipal de Saúde de Paulista

    Nesta reunião, serão apresentadas e esclarecidas pela secretaria de saúde municipal, as ações que constam no Relatório Anual de Gestão 2015. 

    Lembrando que as reuniões do Conselho de saúde são abertas ao público.



    Projeto de Lei inédito pretende obrigar o Governo Municipal a disponibilizar os saldos de medicamentoS na internet, em São José - Santa Catarina

    Observatório Social de São José

    Que tal saber, sem sair de casa, se o medicamento que você precisa está disponível na rede púbica municipal de saúde? Se isso já seria bom, que tal não precisar fazer uma peregrinação atrás de um Posto de Saúde que disponha o medicamento?

    Um Projeto de Lei - http://goo.gl/0VUYv7 -, apresentado pela Vereadora Sandra Martins, pretende obrigar o Poder Executivo Municipal de São José a publicar no Portal de Transparência os saldos atualizados de medicamentos e insumos para atenção à saúde disponíveis nos almoxarifados e nas Unidades Básicas de Saúde (UBS) da Cidade.

    Além disso, a transparência também permitirá que os cidadãos fiscalizem se o Governo Municipal está adotando providências para reposição dos medicamentos e insumos, pois prevê que sejam divulgados os níveis mínimos e críticos de estoque e a data de validade dos produtos.

    Procuradores ironizam o fato de Janot ter sido chamado de 'mau caráter'

    A gravação na qual Machado e Renan trocam impressões sobre Janot foi revelada nesta quinta-feira (26)
    Foto: Lula Marques/ Fotos Públicas
    Estadão Conteúdo


    Integrantes do Ministério Público Federal ironizaram, em mensagens nas redes sociais, o fato de o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, ter sido chamado de "mau caráter" em uma conversa entre o ex-presidente da Transpetro Sérgio Machado e o presidente do Senado, Renan Calheiros (PMDB-AL).


    Em sua conta no Twitter, o procurador Hélio Telho brincou com a situação. "Após receber xingamentos de três políticos investigados, Janot pode pedir música no Fantástico?", disse, em relação a uma brincadeira exibida no programa dominical da Rede Globo.


    Após receber xingamentos de três políticos investigados, Janot pode pedir música no fantástico?

    Já a procuradora Monique Cheker postou um gif animado do ator Leonardo Di Caprio batendo palmas, insinuando que Janot estava de parabéns por ter sido mencionado dessa maneira nas gravações.


    Os dois também reproduziram tweets de um advogado que afirmava que Janot havia sido "honrosamente xingado pela oligarquia política".
    A gravação na qual Machado e Renan trocam impressões sobre Janot foi revelada nesta quinta-feira (26), pelo Jornal Hoje, da TV Globo. O peemedebista é alvo de ao menos nove inquéritos no Supremo devido às investigações da Lava Jato e Machado também é alvo de investigações na Corte.
    Além de dizer que Janot era mau caráter, Renan afirmou que ele "faz tudo que essa força-tarefa (Lava Jato) quer". Machado concordou e disse que Janot queria "sair como herói" e afirmou que era preciso "encontrar uma fórmula de dar um chega pra lá nessa negociação ampla pra poder segurar esse pessoal (Lava Jato). Eles estão se achando o dono do mundo".
    A assessoria da Procuradoria-Geral da República afirmou que não iria comentar o caso.