sábado, 27 de maio de 2017

GRAVAÇÃO MOSTRA AÉCIO DANDO BRONCA EM PERRELLA POR DECLARAÇÃO “ESCROTA”

Minas 247 - A gravação de uma conversa telefônica mostra uma enquadrada épica de Aécio Neves no senador Zezé Perrella (PSDB-MG).

Aécio ficou visivelmente transtornado após ouvir uma entrevista de Perrella à rádio Itatiaia, de Minas Gerais, em que ele se gabava de não estar na lista de Janot e lamentava o “mar de lama” do Brasil.

“Olhe, poucas vezes eu vi uma declaração tão escrota”, diz Aécio, pouco antes de cobrar mais solidariedade de Perrella, que ele diz considerar um amigo.

Perrella se defende afirmando que as declarações eram uma maneira de rebater “as coisas que falam de mim até hoje por causa do helicóptero” (o Helicoca).

Dois dias depois do fim do sigilo da delação da Odebrecht, em 13 de abril, o senador afastado Aécio Neves (PSDB-MG) ligou para Zezé Perrella (PMDB-MG) e disse: “A tua [campanha] foi [financiada] exatamente como a minha e do Anastasia”.

O diálogo foi grampeado pela PF e divulgado pelo STF no caso FriboiGate.

Em seguida, Aécio dá orientações a Perrella sobre o que, na sua opinião, deveria ter sido respondido na entrevista.

Confira abaixo o áudio da conversa:


Família de Gilmar Mendes fornece gado para a JBS

Gilmar Mendes, ministro do STF
Foto: Antonio Cruz/ Agência Brasil

Folhapress

A família do ministro Gilmar Mendes, do STF (Supremo Tribunal Federal), é fornecedora de gados para a JBS, uma das maiores processadoras de carne do mundo e que acaba de ter um acordo de delação premiada homologado pelo tribunal. No cargo, Gilmar pode ter de tomar decisões sobre a delação.

A informação foi dada pelo próprio ministro à reportagem ao ser questionado sobre encontro recente que teve com o empresário Joesley Batista, um dos sócios da JBS que gravou secretamente o presidente Michel Temer e o senador Aécio Neves (PSDB-MG).

Gilmar confirmou a reunião, ocorrida, segundo ele, a pedido do advogado Francisco Dias, um dos delatores da empresa. Joesley, de acordo com Gilmar, apareceu de surpresa ao encontro, que, diz o ministro, tratou de questão referente ao setor de agronegócio.

A conversa ocorreu fora do Supremo, no IDP, escola de direito em Brasília da qual o ministro do STF é sócio. A data da conversa, segundo Gilmar, é posterior a 30 de março, quando o tribunal realizou um julgamento sobre o Funrural, fundo abastecido com contribuições de produtores rurais à previdência.

Os ruralistas questionavam o pagamento ao fundo na Justiça e o STF manteve a obrigatoriedade. O ministro afirmou que votou contra os interesses da JBS.
A gravação de Joesley com Temer foi feita no dia 7 de março, no Palácio do Jaburu.
Gilmar afirmou que conheceu Joesley por causa de negócios na área de agropecuária. Disse que não o via havia mais de um ano, até o encontro recente, em Brasília.

"Minha família é de agropecuaristas e vendemos gado para a JBS lá (Mato Grosso)", afirmou, acrescentando que se trata de um irmão.

"Eu já havia o [Joesley] encontrado em outras ocasiões. A JBS tem um grande frigorífico em Diamantino (MT), minha terra, implantado pelo grupo Bertin no governo Blairo [Maggi, governador do Mato Grosso entre 2003 e 2010]".
Segundo o ministro, a relação comercial com a empresa não é motivo para ele se declarar impedido de participar das votações futuras relacionadas à JBS no STF.

"Não. Por quê? As causas de impedimentos ou suspeição são estritas", disse.
"[Se fosse assim] Eu não poderia julgar causas da Folha de S.Paulo, Carrefour, Mercedes-Benz, Saraiva", acrescentou, fazendo referências a empresas com quem tem algum tipo de relação comercial [no caso, empresas das quais é cliente].
As declarações foram dadas por ele à reportagem antes das 13h, ao ser questionado sobre o encontro que teve com Joesley. Depois, em entrevista a jornalistas no STF, ele declarou que o plenário do tribunal tem de discutir os termos do acordo de delação da JBS, alvo de críticas por supostas fragilidades em relação a penas dos envolvidos.

Para Gilmar, não cabe apenas ao relator (no caso, o ministro Edson Fachin) homologar um acordo.

"Me parece que nesse caso, como envolve o presidente da República, certamente vamos ter que discutir o tema no próprio plenário", disse.

Perguntado pela reportagem se tem receio de ter sido gravado, assim como ocorreu com Temer e Aécio, o ministro do STF respondeu: "Não [tem receio]. Como lhe disse, a conversa se limitou a esse tema [Funrural]", respondeu.

Março
Mendes argumentou que foi um dos seis ministros que votaram a favor de manter a cobrança das contribuições para o Funrural no dia 30 de março, indo contra o pedido dos ruralistas (incluindo a JBS) -o placar foi de 6 a 5. "Votei contra os meus próprios interesses econômicos, pois minha família terá de pagar a contribuição atrasada."

"O advogado dele havia procurado para falar sobre o caso julgado pelo STF sobre o Funrural. O setor estava em polvorosa. Eu já havia recebido toda a bancada ruralista, que alegava a necessidade de modularmos efeitos da decisão", acrescentou Gilmar.

Ele afirmou também que o pedido de Joesley, posterior ao julgamento, foi para encontrar uma fórmula que permitisse o alongamento da contribuição.

No Recife, Marcha das Vadias pede saída de Temer e critica reforma trabalhista

Marcha das Vadias 2017 no Recife
Foto: Ed Machado

Duda Spencer
Folha-PE 

O Recife recebe, neste sábado (27), a sétima edição da Marca das Vadias. Com o tema "Feminismo é Revolução", as manifestantes se concentraram na Praça do Derby, área central da Capital, onde leram um manifesto e pintaram os corpos e cartazes com palavras de ordem. As mulheres saíram em caminhada pelas ruas do Centro. As reforma trabalhista, propostas pelo Governo Temer, também não ficaram das críticas do grupo.

O tema central, como de costume, é a culpabilização da vítima de estupro. "As mulheres, quando denunciam o estupro, geralmente são culpadas. Porque não obedeceu o pai ou o marido, porque tava de short curto, tava de noite na rua... Isso não acontece com nenhum outro crime. Se a pessoa foi assaltada não vai ser responsabilizada. O movimento feminista identifica que essa é uma questão da cultura do estupro e do machismo", explica a professora Rebeca Batista de França. 

Ela explica ainda que o assassinato de mulheres, que é chamado de crime passional, não é um ato de paixão. "É um crime onde se persegue mulheres por serem mulheres. Elas estão morrendo por serem mulheres. É feminicídio", afirma. 

A marcha, no Recife, também segue outras manifestações relacionadas à causa das mulheres independentes e defende outras bandeiras, como a saída de Michel Temer do Governo Federal e do Congresso ultraconservador. "São bancadas que têm defendido o Governo e aprovado todos os projetos que o governo coloca, como a reforma da previdência, que com certeza vai incidir pesadamente sobre as trabalhadoras. Se a classe trabalhadora vai ficar precarizada, as mulheres vão sofrer muito mais com essa perda de direitos trabalhistas", explica.

Uma das organizadoras da Marcha, Ju Dolores afirmou que o movimento tem um trabalho de unir as mulheres e entender as suas especificidades. “A gente está aberta a discutir a causa das mulheres, sabe que os feminismos são plurais, que a gente tem um trabalho muito grande de unir as mulheres e entender que a gente tem as nossas especificidades, mas que todas nós estamos juntas. E como bem disse uma amiga minha, nós somos todas irmãs de sangue nos olhos. Porque a gente está aqui porque a violência contra a mulher é diária e não choca as pessoas como deveria chocar”, declarou. 

Também organizadora da Marcha, Amanda Timóteo ressaltou a diversidade de mulheres que compõem a manifestação. “Ela já foi e ela é ainda questionada da questão racial, e hoje a gente pode ver, estou muito feliz, inclusive, que tem uma quantidade de mulheres negras muito maior e isso aconteceu de dois, três anos para cá”, disse. 

Ainda na Praça do Derby, Perla Rannielly fez uma performance intitulada ‘Carne negra’ que, segundo ela, é baseada em sua vivência. Mulher trans, falou da resistência. “A gente aqui é guerreira, forte para c... A gente está aqui porque sabe dos nossos direitos e a gente quer levar isso para outras mulheres que não têm essa informação de algum modo. Mesmo que achem que ficar com o peito de fora é ridículo ou assédio para eles. A gente está aqui para botar na cara deles e mostrar que a gente tem força”, declarou.

Chuvas dos últimos dias elevam nível de barragens em PE, diz Compesa

Barragem do Prata, no município de Bonito
Foto: Divulgação/ Compesa

Folha-PE

As chuvas dos últimos dias elevaram o nível de algumas barragens em Pernambuco. Reservatórios de cidades no Agreste foram os mais beneficiados. No Grande Recife, o maior aumento de volume aconteceu na Barragem de Pirapama, no Cabo de Santo Agostinho, que subiu 46,06% para 54,12% entre quinta (25) e sexta-feira (26).

As outras quatro principais barragens da Região Metropolitana não sofreram alterações significativas dos níveis: a Barragem de Várzea do Una está 35,84% da sua capacidade total; Tapacurá com 32,07%; Duas Unas apresenta 27,82% do seu volume de reservação; e Botafogo registra 13,47%.

A Agência Pernambucana de Águas e Clima (APAC) emitiu alerta de continuidade das chuvas moderadas a fortes no Grande Recife, no Agreste e na Zona da Mata Sul. A previsão também é de céu nublado no Sertão do Estado. Podem ocorrer pancadas fracas de chuva de forma isolada no período da noite.

Agreste
Um dos mananciais que está em pré-colapso no estado, a Barragem do Prata, no município de Bonito, no Agreste, subiu de 9,83% para 11,72%, entre quarta (24) e sexta-feira (26). Com o pequeno aumento, o Prata registra agora 4.939.384 metros cúbicos de água acumulados, o que já garante prorrogar o uso da água da barragem até o mês de agosto deste ano. A Barragem do Prata é responsável pelo abastecimento de água de Caruaru, Agrestina, Santa Cruz do Capibaribe, Ibirajuba, Altinho e Cachoeirinha.

Em março deste ano, a Compesa precisou adotar a medida de redução da exploração do Prata para 200 litros de água por segundo. Desde então, o abastecimento dessas seis cidades está recebendo o complemento pelo Sistema Adutor do Pirangi, que incrementa o Sistema Prata com mais 500 litros de água por segundo.

Em Garanhuns, as três barragens que fornecem água para a cidade elevaram o volume de reservação com as chuvas dos últimos dez dias. A Barragem do Cajueiro aumentou o nível de acumulação de 43% para 48% (6,9 milhões de m³ de água), Mundaú subiu de 23% para 35% (696 mil m³), enquanto Inhumas, que estava em colapso, com 5% da sua capacidade total, agora subiu para 27% (1,8 milhão m³). 

Segundo a Compesa, com essa melhora dos níveis das barragens, será possível garantir a continuidade do fornecimento de água para a cidade até fevereiro de 2018. Se as chuvas continuarem regulares e com esse volume até o final do mês de junho, Garanhuns poderá até sair do rodízio ainda em julho deste ano, informou a companhia.

Ainda no Agreste, a Barragem do Rio Correntes, que fornece água para a cidade de Correntes, está transbordando. A Compesa disse que limpou a barragem neste mês, o que contribuiu para melhorar a acumulação de água no manancial e retirar a cidade do rodízio.

Lagoa do Ouro também teve o calendário reduzido pelas chuvas, passou para um dia com água e um dia sem, depois que regularizou a vazão do Riacho da Palha. A população de Bom Conselho também terá melhorias no abastecimento, após as barragens de Bulandim, Mata Verde e Caboge voltarem a acumular água. A companhia retornou com a captação nos mananciais e estabeleceu um novo calendário de três dias com água e seis dias sem para a cidade - antes era de cinco dias com e dez dias sem.

Zona da Mata
Na Mata Norte, as cidades de Ferreiros e Camutanga são atendidas pelo mesmo sistema de abastecimento, cujas fontes de água, duas barragens de nível, tiveram a vazão regularizada com as chuvas. A Compesa informou que passou a fazer a captação 24 horas por dia na Barragem de Mucambo e voltou a retirar água da Barragem Vundinha. A população de Ferreiros e Camutanga, que juntas somam 16,5 mil pessoas, antes eram abastecidas com o rodízio de dois dias com água e 20 dias sem, agora são atendidas com um calendário de dois dias com água e oito dias sem.

Com as últimas chuvas que caíram em Chã Grande, na Mata Sul, a Compesa voltou a captar água na Barragem dos Macacos, que está transbordando. Com a retirada de 15 litros de água por segundo deste manancial, somados a mais 15 litros por segundo que são captados na Barragem de Siriquita, a Compesa deve divulgar e breve um novo calendário de abastecimento para cidade, que hoje é de dois dias com água para 12 dias sem.

A Barragem de Banho da Negra que abastece Pombos, também está transbordando, o que possibilitou reduzir o rodízio da cidade de dois dias com água e 28 dias sem, para dois dias com água e cinco dias sem.

As barragens de Água Fria de Cima e Água Fria de Baixo, que atendem Sirinhaém, também atingiram a capacidade máxima de reservação e estão vertendo. Na cidade é realizado o rodízio de 24 horas com água e 48 horas sem. Em Escada, as chuvas regularizaram o nível do Rio Sapocagy, principal manancial que atende a cidade e que estava em pré-colapso. A Compesa voltou a captar água no manancial 24 horas por dia, o que permitiu adotar o novo calendário de abastecimento em Escada, que é de um dia com água e um dia sem.

Janot diz que Temer fez 'confissão' e pede ao STF para interrogá-lo

Rodrigo Janot, procurador-geral da República
Foto: José Cruz/Arquivo Agência Brasil

Folhapress

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, disse que Michel Temer fez uma "confissão" sobre ter participado de uma conversa na qual foram tratados de possíveis crimes de corrupção de agentes públicos e pede para tomar o depoimento do presidente.

A afirmação faz parte de uma petição encaminhada ao ministro do STF, Edson Fachin, responsável pelo inquérito aberto com base na delação da JBS para investigar se o presidente cometeu crimes de corrupção passiva, embaraço à investigação da Lava Jato e organização criminosa.

Janot cita trecho do pronunciamento do presidente no último sábado (20), no qual Temer relata encontro durante a noite para conversar com Joesley Batista no Palácio do Jaburu.
Temer ouviu relato de compra de juízes e procuradores sem demonstrar oposição.

"O presidente confirma que fez parte do diálogo o possível crime de corrupção: [Temer diz no diálogo que] 'E por isso mesmo eu devo dizer que, não acreditei na narrativa do empresário de que teria segurado juízes, etc. Ele é um conhecido falastrão, exagerado'", destaca a PGR (Procuradoria-Geral da República).

"Mais uma vez o fato relevante não é negado, sendo, em realidade, objeto de confissão no sentido de que os interlocutores dialogaram sobre possível corrupção de agentes públicos", escreve Janot.

sexta-feira, 26 de maio de 2017

Charge do Sinfrônio - Diário do Nordeste


Dia D da Campanha de Vacinação Antirrábica acontece neste sábado

Cachorro
Foto: Divulgação

Folha-PE

Os municípios pernambucanos, com exceção do Recife, realizam, neste sábado (27), o dia D da Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica Canina e Felina. Mais de 7 mil postos de vacinação serão montados nas cidades do Estado, com funcionamento das 8h às 17h. No caso específico do Recife, a vacinação será realizada no dia 10 de junho. 

A meta no Estado é imunizar cerca de 1,2 milhão de caninos e felinos, sendo 875 mil cães e 376 mil gatos. Com o mote "Quem cuida, vacina!", a campanha tem o objetivo de controlar a circulação do vírus da raiva canina e felina, prevenindo a raiva humana. O último caso da doença em humanos, transmitido por cão, em Pernambuco, foi no ano de 2006. 

A raiva é uma doença viral e infecciosa, transmitida por mamíferos. Para isso, ao todo, serão disponibilizadas 1,5 milhão de doses, com o objetivo de imunizar, pelo menos, 80% da população canina e felina do Estado. A transmissão da raiva se dá pela penetração do vírus contido na saliva do animal infectado, principalmente pela mordedura, arranhadura e lambedura de mucosas. 

O vírus penetra no organismo, multiplica-se e atinge o sistema nervoso periférico e, posteriormente, o sistema nervoso central. O coordenador estadual do Programa de Controle da Raiva, da SES, Francisco Duarte, ressalta que a melhor forma de prevenção é vacinação. Quem não conseguir vacinar seu animal no dia D da Campanha deve procurar a secretaria de saúde do seu município, no setor de zoonoses.

As recomendações indicam que ao ser agredida por um animal, a pessoa deve lavar imediatamente o ferimento com água e sabão, e procurar com urgência o Posto de Saúde mais próximo. Cães raivosos apresentam sintomas como: agressividade (atacando pessoas e objetos) ou tristeza (procurando lugares escuros), salivação excessiva, dificuldade para engolir, latido rouco e paralisia das patas traseiras. Nos humanos, a doença ataca o sistema nervoso central, levando à morte. 

O tratamento profilático anti-rábico também é recomendado para toda agressão por espécie silvestre (morcegos, raposa/cachorro do mato e sagüis). O soro e a vacina para esse tratamento estão disponibilizados na rede do SUS, gratuitamente. A vacina anti-rábica canina também é gratuita. O único meio de prevenir a ocorrência da doença em áreas urbanas é por meio da vacinação anual de cães e gatos. 

Confira a Campanha Nacional de Vacinação Antirrábica Canina e Felina em cada município do Estado:

Recife

No Recife a Campanha de Vacinação antirrábica animal 2017 terá início no dia 10 de junho, com a expectativa de imunizar mais de 200 mil cães e gatos. A população do município poderá levar seus animais a um dos 450 postos de vacinação distribuídos pela cidade, no horário das 8h às 17h. Estarão envolvidos mais de mil profissionais entre médicos veterinários, agentes de saúde ambiental e voluntários.

Olinda

No município de Olinda, a Secretaria de Saúde, por meio do Centro de Vigilância Ambiental (CEVAO) vai disponibilizar 70 postos de vacinação distribuídos em todo o município.Além da equipe composta por 220 profissionais envolvendo Agentes Comunitários de Endemias (ACEs), diretores e coordenadores, o CEVAO vai contar com um reforço de 80 alunos do curso de veterinária de uma faculdade particular, que voluntariamente estarão dando apoio aos técnicos durante o dia de imunização. A meta é vacinar uma população animal de 55.677 animais, sendo 46.817 cães e 8.860 gatos. Na pré-campanha, as equipes imunizaram aproximadamente dois mil animais entre cães e gatos nos bairros Santa Tereza, Ilha do Maruim, V8 e V9, Passarinho e Base Rural.

Jaboatão dos Guararapes

Em Jaboatão dos Guararapes, a campanha contará com 210 postos que estarão à disposição da população. Os locais de vacinação estarão espalhados por todas as sete regionais do município, entre unidades de saúde, escolas, associações de moradores, entre outros. A meta estipulada pela atual gestão do município é que sejam imunizados 66.348 cães e 19.913 gatos.

Camaragibe

A Prefeitura Municipal de Camaragibe, está disponibilizando 62 postos de atendimento para campanha. O município possui atualmente uma população canina e felina estimada em 20.478 animais, sendo 16.555 cães e 3.923 gatos, distribuídos em área urbana e rural. No ano passado, foi apresentado um caso de raiva canina notificado no município e, por isso, é importante manter o controle da raiva animal, e consequentemente evitar a doença em seres humanos, através da campanha vacinal.

Igarassu

A Prefeitura de Igarassu ofertará 30 pontos de vacinação que estarão funcionando das 08h às 17h para atender o máximo de animais possível, não existe contraindicação na aplicação, com exceção do caso em que o animal esteja debilitado por diarreia ou vômitos frequentes.

Procuradoria recorrerá da absolvição de Cláudia Cruz

A Procuradoria da República apontou na denúncia contra Cláudia que a elevada quantia abrigada na conta secreta na Suíça lhe garantia uma vida de esplendor no exterior
Foto: Reprodução

Estadão

O procurador Carlos Fernando dos Santos Lima, da força-tarefa da Operação Lava Jato, afirmou que a Procuradoria da República irá recorrer à absolvição de Cláudia Cruz nesta sexta-feira (26). O magistrado livrou Cláudia dos crimes de lavagem de dinheiro e evasão fraudulenta de divisas nesta quinta-feira (25). "Nós discordamos, cremos que isso decorre muito mais do coração generoso do dr. Sérgio Moro e na interpretação de um fato envolvendo a esposa de uma pessoa sabidamente ligada à corrupção. Mas uma pessoa como a sra. Cláudia Cruz, jornalista com nível cultural que ela tinha e ausente qualquer justificativa para ganhos dessa natureza do seu marido que nada mais era que um deputado, então, portanto com ganhos limitados, nós entendemos que é injustificável absolvição", afirmou Carlos Fernando.

A ação penal na qual Cláudia era ré teve origem em contrato de aquisição pela Petrobras dos direitos de participação na exploração de campo de petróleo na República do Benin, país africano, da Compagnie Beninoise des Hydrocarbures Sarl - CBH. O negócio teria envolvido o pagamento de propina a Cunha de cerca de 1,3 milhão de francos suíços, correspondentes a cerca de US$ 1,5 milhão. Pelo menos US$ 1 milhão teriam abastecido a conta Kopec, de Cláudia, na Suíça.

Moro apontou "falta de prova suficiente de que (Cláudia) agiu com dolo’ ao manter conta na Suíça com mais de US$ 1 milhão, dinheiro supostamente oriundo de propina recebida pelo marido. Para o juiz, Cláudia "foi negligente quanto às fontes de rendimento do marido e quanto aos seus gastos pessoais e da família".

Conta na Suíça

A Procuradoria da República apontou na denúncia contra Cláudia que a elevada quantia abrigada na conta secreta na Suíça lhe garantia uma vida de esplendor no exterior. O rastreamento de seu cartão de crédito revelou gastos com roupas de grife, sapatos e despesas em restaurante suntuosos de Paris, Roma e Lisboa.

"Nós sabemos que parte desses valores abasteceu a conta que foi usada por Cláudia Cruz para seus gastos em bens voluptuários, de alto valor", declarou o procurador Santos Lima nesta sexta.

O procurador afirmou que a mulher de Eduardo Cunha "deveria saber, tinha indicativos suficientes para saber, tinha conhecimento cultural suficiente para saber a origem desses recursos".

"Ao gastá-los, ela cometeu o crime de lavagem. Nós não estamos acusando Cláudia Cruz da corrupção, mas sim de lavagem. Portanto, neste aspecto o comportamento dela não é justificado e é criminoso. Nós vamos recorrer e esperamos, como outros casos nós temos tido sucesso, que no Tribunal haja reversão dessa absolvição", disse.

Santos Lima deu as declarações durante coletiva sobre a Operação Poço Seco, deflagrada nesta sexta. Trata-se da 41ª fase da Lava Jato, que investiga propinas sobre a compra do campo de petróleo de Benin, na África. 

Os focos principais são um ex-gerente da área internacional, Pedro Augusto Cortes Xavier Bastos, e um banqueiro, José Augusto Ferreira dos Santos, suspeitos de terem recebido mais de US$ 5,5 milhões em propinas da empresa Companie Beninoise des Hydrocarbures SARL (CBH).

Ex-governadores divulgam manifesto em que pregam respeito à Constituição

Folha de Pernambuco

Seis ex-governadores pernambucanos – Gustavo Krause, Jarbas Vasconcelos, João Lyra Neto, Joaquim Francisco, Mendonça Filho e Roberto Magalhães – divulgaram manifesto em que pregam respeito à Constituição, apoio às ações desenvolvidas pelo Ministério Público e o Poder Judiciário.

"A Nação clama por respeito à Constituição, aos princípios democráticos, punição aos corruptos e corruptores, como premissa básica para estabilidade da economia e retomada da geração de empregos", diz trecho do texto. 

Leia a íntegra do manifesto:

Aos Brasileiros

Pernambuco deu, ao longo de sua história, notáveis exemplos de compromissos com as lutas pela liberdade, pela democracia e pelo respeito aos direitos humanos.

Desde a Revolução Pernambucana de 1817, a Confederação do Equador de 1824 e a Revolução Praieira de 1848 que estamos na vanguarda das melhores causas nacionais.

Nós, ex-governadores de Pernambuco, firmamos posição - neste momento de grave crise política, ética e econômica - em defesa dos princípios democráticos e do mais absoluto respeito à Constituição em vigor, fruto da luta de milhões de brasileiros.

Defendemos irrestrito apoio as ações desenvolvidas pelo Ministério Público e o Poder Judiciário no sentido que seja aplicado o rigor da punição a corruptos e corruptores. As investigações de desvios de recursos públicos devem ser levadas às últimas consequências.

Só uma ação integrada e harmônica entre os três poderes constituídos garantirá uma solução para o impasse político que o País enfrenta neste grave momento da nacionalidade.

A Nação clama por respeito à Constituição, aos princípios democráticos, punição aos corruptos e corruptores, como premissa básica para estabilidade da economia e retomada da geração de empregos.

Gustavo Krause
Jarbas Vasconcelos
João Lyra Neto
Joaquim Francisco
Mendonça Filho
Roberto Magalhães

Recife, Olinda e Igarassu recebem Mostra de Bonecos

Fios de Sombra
Foto: Paloma Faria Quintas / Divulgação

Daniel Medeiro
Folha de Pernambuco

Controlados por mãos de artistas habilidosos, seres inanimados ganham vida própria nos palcos, contando histórias e encantando gerações de espectadores do mundo inteiro. A partir deste final de semana, eles estarão ainda mais próximos do público pernambucano. É que deste sábado (27) até o dia 4 de junho, ocorre a 6ª Mostra Pernambucana de Teatro de Bonecos, com ingressos a R$ 10 e R$ 5 (meia-entrada). 

No total, são 33 apresentações artísticas. A maior parte está concentrada no Teatro Apolo, no bairro do Recife, mas também há sessões gratuitas em espaços públicos de Recife, Olinda e Igarassu.

O evento é organizado pela Associação Pernambucana de Teatro de Bonecos (APTB) e tem como objetivo dar aos bonequeiros pernambucanos a oportunidade de mostrar seus trabalhos. "Muita gente ainda tem a visão de que teatro de bonecos serve apenas para animar festas infantis. A ideia da mostra é provar que os titeriteiros podem sim alegrar as crianças, mas também estão aptos a abraçar outras propostas e outros públicos", defende o presidente da instituição, Jorge Costa.

A primeira edição foi realizada em 1997 e, desde então, o projeto nunca teve uma periodicidade. "Nossa última edição foi em 2011. É muito difícil manter todos os anos, porque falta apoio. Desta vez, fomos contemplados no edital de patrocínio cultual do Banco do Nordeste", conta Jorge. 

Os espetáculos que compõem a grade de atrações foram submetidos a uma curadoria. Mesmo priorizando a produção local, a organização não deixou de lado o intercâmbio entre regiões, convidando duas montagens do estado de São Paulo. 

A Cia. Fios de Sombra, de Campinas, abre a programação neste sábado. O grupo traz à capital pernambucana duas peças. "Maresia", que pode ser vista às 16h30, é inspirada nas divertidas brincadeiras de criança na praia. 

Já "Cinza", às 20h, revela os conflitos de uma moradora de rua, cuja forma física se confunde com o ambiente onde vive: um amontoado de jornais velhos. Vinda de Mogi das Cruzes, a Clara Trupi de Ovos y Assovios entra em cena no último dia da mostra, apresentando "Nuviô ou Quero cê balão", às 10h; e "Coisas de menino-boneco", às 16h30. 

Entre os pernambucanos, há grupos de diversos municípios, como o Mamulengo Nova Geração (Glória do Goitá), Mamulengos e Catrevagens (Recife) e Theatro de Bonecos Quero Mais (Olinda). A comemoração dos 30 anos de existência do Mão Molenga Teatro de Bonecos, que ocorre no Teatro Marco Camarotti (Sesc Santo Amaro), foi incorporada à programação da mostra. A companhia encena os espetáculos "Babau" e "Fio mágico", neste sábado e domingo, respectivamente. 

Formação 

Além das apresentações, a mostra conta com três oficinas de iniciação com foco em técnicas diferentes de criação de títeres. "Confecção de bonecos de papel machê" e "Confecção de bonecos de sucata" serão ministrados por Maria Oliveira. Já Antero Assis comanda a aula "Confecção de bonecos de madeira". Todas serão realizadas no Centro Apolo/Hermilo, entre 29 de maio e 2 de junho. As inscrições já estão abertas e podem ser feitas por email (apetb@globo.com) ou presencialmente, das 8h às 14h, no local das aulas.

Programação completa

quinta-feira, 25 de maio de 2017

Governo revoga decreto que autorizava uso das Forças Armadas na Esplanada

Exército cerca o Planalto
Foto: Lula Marques/AGPT

Agência Brasil

O presidente Michel Temer revogou na manhã desta quinta-feira (25) o decreto de ontem que autorizava o emprego das Forças Armadas para a Garantia da Lei e da Ordem no Distrito Federal. O decreto de revogação foi publicado em edição extra do Diário Oficial da União.

A revogação foi publicada enquanto o presidente Temer estava reunido no Palácio do Planalto em Brasília com os ministros Raul Jungmman, da Defesa; Eliseu Padilha, da Casa Civil; Moreira Franco, da Secretaria-Geral da Presidência da República; Antônio Imbassahy, da Secretaria de Governo e com o general Sérgio Etchegoyen, do Gabinete de Segurança Institucional da Presidência da República.

Na quarta-feira (24), o objetivo do governo ao autorizar a presença das Forças Armadas em Brasília era de garantir a integridade dos prédios públicos na Esplanada dos Ministérios, bem como a segurança de servidores que lá trabalham, depois que um grupo de cerca de 50 pessoas usando máscaras no rosto promoveu um quebra-quebra em meio à manifestação Ocupa Brasília – contra o governo do presidente Michel Temer e as propostas de reformas apresentadas pelo governo.

O decreto de quarta-feira foi criticado pelo governador do Distrito Federal, Rodrigo Rollemberg que, em comunicado, se disse “surpreso” com a medida adotada pelo presidente Michel Temer. Na nota, Rollemberg lamentou os episódios de violência que ocorreram durante a manifestação, resultando em depredação do patrimônio público e privado.

GLO

Conhecida como GLO, a Garantira de Lei e da Ordem é regulada pela Constituição Federal e concede provisoriamente aos militares a faculdade de atuar com poder de polícia até o restabelecimento da normalidade.

Na quarta-feira, o presidente da Câmara dos Deputados, Rodrigo Maia (DEM-RJ), pediu a presença da Força Nacional de Segurança na capital. O governo então determinou que tropas federais protejessem os prédios da Esplanada dos Ministérios.

O Palácio do Planalto disse que a decisão do presidente Michel Temer de usar as Forças Armadas foi tomada com base na informação de que não havia policiais da Força Nacional suficientes para atender à solicitação de Maia.

“[...] o Presidente da República, após confirmada a insuficiência dos meios policiais solicitados pelo Presidente da Câmara dos Deputados, decidiu empregar, com base no Artigo 142 da Constituição Federal, efetivos das Forças Armadas com o objetivo de garantir a integridade física das pessoas [...]”, diz um trecho da nota divulgada no início da noite de ontem.

Em Paulista, desembargador e psicóloga do TJPE debatem sobre adoção

O Grupo de Apoio à Adoção do Paulista (GAAP) promove neste sábado (27.05), às 15h, uma palestra sobre o direito à convivência em família dos adolescentes e crianças que vivem em casas de acolhimento. O tema será abordado pelo coordenador da Infância e Juventude, desembargador Luiz Carlos de Barros Figueiredo, e a psicóloga da Comissão Estadual Judiciária de Adoção do Tribunal de Justiça de Pernambuco (TJPE), Tereza Figueiredo. A programação faz parte das atividades em comemoração ao Dia Nacional da Adoção – que transcorre no dia 25 de maio. Podem participar do evento pais adotivos, pretendentes e o público em geral. A palestra acontecerá no auditório do Ministério Público, na Avenida Senador Salgado Filho, s/n, Centro, Paulista. O acesso é gratuito. Outras informações no www.facebook.com/gaapaulista.

Frente cobra participação e transparência na política de segurança em Pernambuco

Frente cobra participação e transparência na política de segurança em Pernambuco. 
Foto: Thalyta Tavares

Diário de Pernambuco

Representantes de cerca de 60 organizações e movimentos sociais, que integram o Fórum Popular de Segurança Pública lotaram, na manhã desta quinta-feira, as galerias da Assembleia Legislativa de Pernambuco (Alepe) para participar de uma audiência pública sobre o Pacto Pela Vida e o aumento da criminalidade no estado. Antes da sessão, foi realizada uma intervenção política, organizada pelo Fórum, simbolizando a situação caótica na qual Pernambuco se encontra.

De acordo com Edna Jatobá, representante do Fórum, o grupo cobra participação e transparência na política de segurança em Pernambuco: "Estamos reivindicando a particopação da sociedade civil em um conselho que ainda não existe que é

o Conselho Estadual de Defesa Social. Queremos contribuir na discussão porque a gente entende que uma política de segurança pública não pode deixar de contar com a participação social. Temos um Pacto pela Vida que deu grandes resultados, mas que está falido e desde 2014 não conseguiu se recupear e garantir uma gestão democrática, ficou na repressão qualificada e sem a participação da sociedade e por isso, a gente tá nisso". avalia.

Edna acrescentou que o ato tem o objetivo de apresentar ao governo do estado as três reivindicações básicas: a volta imediata da divulgação diária dos crimes violemtos letais intencionais (CVLIs), do Conselho Estadual de Defesa Social, previsto no Pacto e a organização imediata da Conferência Estadual de Segurança. "Queremos que a sociedade civil possa interferir de maneira insititucionalizada. Queremos deliberar sobre a polítca de segurança do estado", pontuou.

Compareceram à audiência os secretários Angelo Gioia, Pedro Eurico e Márcio Stefanni. Os dois primeiros foram vaiados pelos movimentos sociais presentes na Alepe quando foram chamados para compor a mesa. A audiência foi proposta pelo deputado Silvio Costa Filho. Também fizeram parte da mesa o deputado Guilherme Uchôa, o chefe da Polícia Civil, joselito Amaral, e o comandante da Polícia Militar, coronel Vanildo Maranhão. A sessão, no entanto, foi encerrada em cerca de meia hora. Os representantes dos movimentos sociais deixaram o plenário depois que o presidente da casa Guilherme Uchôa não autorizou a participação de um representante da sociedade civil na mesa. O gesto foi bastante criticado por alguns parlamentares, dando início a uma série de pronunciamentos. Neste momento, Uchôa declarou encerrada a sessão. O líder da bancada de oposição e autor da proposta, deputado Sílvio Costa Filho, prometeu agendar uma nova audiência com urgência.

Números do Pacto Pela Vida (jan/2007 e fev/2017), segundo o Fórum:

Mortes violentas: 39.340 casos; Uma média de 11 casos por dia, ao longo dos últimos 10 anos; Destas, 37.840 são pessoas negras, aproximadamente 96% do total de mortes; e, 2.435 são mulheres, cerca de 6%.

Situação em 2017 (janeiro a abril) 2037 casos em apenas quatro meses, média de 17 casos por dia e de 509 casos a cada mês; Um homicídio a cada 1 hora e 25 minutos; Se não houver redução, chegaremos em dezembro de 2017 com 6108 casos = taxa de 65,8/100 mil habitantes; Essa taxa é maior do que a taxa de Alagoas, estado que lidera o ranking nacional, com 63 casos para cada grupo de 100 mil habitantes;

Em 2016, a taxa de Pernambuco era 47,5/100 mil; Em 2007 foram 4592 casos, se em 2016 as metas do Pacto Pela Vida fossem alcançadas seriam 2.401 casos, com a atual situação de desmantelamento, tivemos 4.479 casos.

A operação Lava Jato não está imune a críticas - Inaldo Sampaio

Até pouco tempo, a operação Lava Jato era uma das poucas coisas intocáveis no Brasil. Quem fizesse qualquer crítica aos excessos da Polícia Federal, do Ministério Público ou do juiz Sérgio Moro era logo acusado de estar a favor da corrupção. Os fatos, contudo, estão demonstrando a cada dia que os principais protagonistas da operação não estão imune a erros e nem tampouco a críticas. E as críticas, felizmente, já começaram a aparecer para que pessoas e instituições não se considerem acima do bem e do mal. Ontem, por exemplo, editorial do “Estadão” chamou de “insulto” aos brasileiros os termos do acordo de delação premiada celebrado entre Rodrigo Janot e o empresário Joesley Batista. Pelo acordo, o ricaço goiano, que deu dinheiro para 1.825 políticos de 28 partidos, pagaria uma multa de 110 milhões (o faturamento de suas empresas em 2016 foi de 172 bilhões) e teria o direito de ir morar em Nova York. Como de fato foi.

Acordo razoável
O pernambucano José Robalinho, presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República, achou que a multa negociada por seu chefe, Rodrigo Janot, com o empresário Joesley Batista (110 milhões) foi “relativamente baixa”. Mas não considera “irrazoável” os termos do acordo celebrado entre as partes, que motivou o violento editorial do “Estadão”.

Ditadura : A divulgação do áudio de uma conversa do jornalista Reinaldo Azevedo (ex “Veja”) com Andrea Neves, irmã de Aécio Neves, foi uma agressão à Constituição, que garante aos profissionais de imprensa o sigilo da fonte. Conforme a ministra Carmem Lúcia, presidente do STF, a “jurisprudência consolidada” da Corte é pelo respeito integral ao sigilo da fonte.

Precaução : O ministro Mendonça Filho (Educação) está correto ao exigir que todas as pessoas que o procuram no gabinete deixem o celular na portaria. Tancredo Neves, que viveu numa época em que não existia celular, não gostava de falar ao telefone com medo de grampo. O neto, Aécio, que não seguiu os seus exemplos, foi “gravado” numa conversa particular e se deu mal.

Freio : As secções do PSDB dos Estados do RJ e RS já se posicionaram abertamente pela renúncia de Michel Temer (a de PE não se pronunciou). A de SP seria a terceira, mas o ex-presidente FHC e o governador Geraldo Alckmin deram um freio de arrumação.

A saída : Sílvio Costa (PTdoB), para tentar criar um “fato político”, pediu audiência ao ex-ministro Carlos Ayres Britto (STF) para conversar sobre o “pós Temer”. O ex-ministro, legalista e pragmático, disse logo de saída que o remédio está na Constituição. Se Temer renunciar ou for cassado, faz-se uma eleição indireta em 30 dias e escolhe-se o sucessor. 

As opções : Até agora, tiveram os seus nomes citados, como opções, para a eventual renúncia de Temer, o ministro Henrique Meirelles, o ex-presidente FHC, o senador Tasso Jereissati (PSDB) e o ex-ministro Nélson Jobim. Este último é o favorito em todas as bolsas de aposta.

Temer convocou Exército para se "agarrar ao poder", analisam especialistas

Daniela Garcia e Paula Bianchi 
UOL

A decisão do presidente Michel Temer de convocar o uso das Forças Armadas em Brasília por um período de sete dias é uma medida exagerada e movida por uma estratégia política para se manter no poder, de acordo com a opinião de e advogados constitucionalistas consultados pelo UOL.
As "Garantias da Lei e da Ordem" (GLO) são reguladas pela Constituição Federal, em seu artigo 142, pela Lei Complementar 97, de 1999, e pelo Decreto 3897, de 2001. Nelas, os militares recebem de forma provisória "a faculdade de atuar com poder de polícia". O decreto de Temer está previsto para durar até o dia de 31 de maio, em todo o Distrito Federal, mas, segundo nota da Presidência, pode ter seu fim antecipado.

Para Rubens Beçak, constitucionalista e professor da USP, a aplicação da medida deveria ter em vista possíveis atos terroristas em grandes eventos, mas acabou distorcida. "Está sendo usada de uma forma descabida. É um governo que .já não tem legitimidade e que procura se agarrar ao poder. Parece um golpe de Estado", afirma.

O anúncio feito pelo ministro da Defesa, Raul Jungmann, sobre o decreto que autoriza o uso das Forças Armadas após a manifestação na Esplanada dos Ministérios não têm ligação direta com a votação das reformas trabalhista e e da Previdência no Congresso Nacional, opina Jorge Zaverucha, professor de ciência política da UFPE (Universidade Federal de Pernambuco). "Ele [Temer] está lutando hoje para sobreviver e está mostrando que tem o apoio das Forças", analisa.

Abrigo é interditado em Abreu e Lima

Interdição de abrigo em Abreu e Lima
Foto: Divulgação/SEDH

Folha-PE

Uma Instituição de Longa Permanência para Idosos (ILPI) em Abreu e Lima, Grande Recife, foi interditada nesta quarta-feira (24). A instituição era suspeita de maus tratos e cárcere privado. Um idoso foi encaminhado para o hospital. Essa já é a terceira interdição de ILPIs neste mês na Região Metropolitana do Recife.

O idoso hospitalizado estava com indícios de maus tratos e foi internado no Hospital Maternidade Abreu e Lima. Outros 10 idosos prestarão depoimento sobre as suspeitas de cárcere privado e sequestro. Não havia alimentação suficiente para atender os 24 idosos abrigados na instituição. As condições de higiene eram precárias, como também a mobilidade, acessibilidade e ventilação.

A operação foi uma parceria entre a Secretaria de Justiça e Direitos Humanos (SJDH) com o Procon do Estado. De acordo com a secretaria, após a interdição, o abrigo tem 15 dias para informar os familiares para que providenciem a remoção dos idosos para outra unidade, e encerrar as atividades. 

Outros problemas identificados pela fiscalização foram a deficiência no atendimento médico e serviço de enfermagem, falta de atividades ocupacionais e de acompanhamento nutricional, além de cardápio sem diferenciação para idosos com patologias como diabetes e hipertensão. O abrigo não tinha atestado de regularidade, sinalização e iluminação de emergência; os extintores de incêndio também estavam vencidos.


Até o encerramento das atividades da instituição, o Centro Integrado de Apoio e Prevenção a Pessoa Idosa (CIAPPI) deverá prestar apoio aos familiares dos idosos. Psicólogos, assistentes sociais e advogados estarão à disposição. Mais informações através do telefone (81) 3182-7649.

Neste mês, outras duas instituições foram interditadas e têm prazo para encerrar as atividades, uma no bairro do Cordeiro e outra na Várzea, ambas na Zona Oeste do Recife.

Em protesto, família de Beatriz contesta MPPE e acusa colégio de apagar imagens

Protesto
Foto: Alfeu Tavares

Folha de Pernambuco

Em protesto realizado na tarde desta quarta-feira (24), em frente ao Ministério Público de Pernambuco, no bairro de Santo Antônio, na área Central do Recife, a família da menina Beatriz pede prisões imediatas dos envolvidos no crime e contesta as informações divulgadas pelo órgão e pela Polícia Civil. De acordo com Sandro Mota, pai da garota, o MPPE tem posse de imagens que denunciariam a identidade de cúmplices no crime. 

Ele também acusa a escola de atrapalhar o processo de investigação da morte da filha. Segundo Sandro, o colégio teria apagado as imagens das câmeras internas. "Eu quero pedir a prisão dessa pessoa que apagou as imagens e também quero denunciar que a escola escondeu e apagou essas provas", comentou o pai da menina.

De acordo com Lucinha Mota, mãe da criança, as imagens divulgadas em março foram recuperadas pela polícia depois de serem apagadas utilizando uma senha de administrador, que deveria estar em posse apenas de funcionários da escola.

Recife recebe maior evento hacker da América Latina

Além de palestras e networking, o encontro abriga campeonatos, diversas oficinas e oportunidades de emprego

Nathália Guimarães
Leia Já

O Roadsec, maior evento hacker da América Latina, vai aportar neste sábado (27) para sua 4ª edição, na Faculdades dos Guararapes, Região Metropolitana do Recife (RMR). Além de palestras e networking, o encontro abriga campeonatos, diversas oficinas e oportunidades de emprego na área de tecnologia. As inscrições devem ser realizadas neste site.

No Recife também será disputada uma das etapas do Hackaflag, um dos maiores campeonatos de hacking do país, em que os participantes invadem sistemas controlados e resolvem vários desafios como web, criptografia e forense. A final será disputada em São Paulo em novembro, reunindo os vencedores de cada edição pelo Brasil. O prêmio para o campeão ainda não está definido.

Ao longo do dia, também serão ministradas palestras com temas ligados a redes Wi-Fi, espionagem industrial, bitcoin, ransomware, malware e sistemas de câmeras. Segundo a organização, em 2016 o evento atraiu mais de 10 mil pessoas nas 17 cidades por onde passou. Em 2017, a previsão dos organizados é reunir 300 participantes no Recife.

Os participantes do Roadsec Recife ganharão um código para publicar, por três meses, um perfil premium gratuito no site roadsec.trampos.co - resultado da parceria com o Trampos, plataforma de anúncio de vagas. As empresas parceiras também ganharão um código para anunciar gratuitamente suas oportunidades.

Protesto em Brasília termina com 49 feridos, 7 detidos e Exército nas ruas

Protesto em Brasília
Foto: Marcelo Camargo/Agência Brasil

Folhapress

O protesto organizado por centrais sindicais e movimentos sociais contra as reformas previdenciária e trabalhista, pela saída do presidente Michel Temer e por eleições diretas transformou a Esplanada dos Ministérios, em Brasília, em um palco de batalha com a Polícia Militar e a Força Nacional nesta quarta (24). Policiais militares deram tiros com armas letais na direção dos manifestantes.

A reportagem da flagrou o uso de armas letais por policiais que não faziam parte do batalhão da tropa de choque, na Esplanada dos Ministérios, no meio da multidão. A Secretaria de Segurança Pública do Distrito Federal confirmou que um manifestante foi baleado e passava por cirurgia no Hospital de Base de Brasília. Segundo a pasta, ele não corre risco de morrer. O órgão informou que abrirá inquérito para investigá-los. "Esse procedimento não é o adotado", afirmou.

Sete ministérios depredados, dois incendiados e 49 feridos - entre eles um manifestante baleado, um estudante de Santa Catarina que teve a mão decepada por um rojão e oito policiais- são alguns dos números do ato, que reuniu 45 mil pessoas, segundo a PM, ou 150 mil, de acordo com organizadores.

Por decreto, válido até o próximo dia 31, Temer convocou as Forças Armadas para conter manifestações de rua. À noite, os prédios dos ministérios já passaram a ter proteção de homens do Exército. Cerca de 300 militares do 32° GAC (Grupo de Artilharia de Campanha) estão espalhados pela Esplanada.

Com o prédio do Ministério da Agricultura em chamas, PMs que não dispunham de armas com balas de borracha sacaram armas comuns e dispararam. João Neto, militante da Força Sindical, disse que viu um homem ser atingido na boca, mas não soube precisar se era munição real ou de borracha. "Ele estava afastado, não estava fazendo nada, o policial sacou a arma e atirou", disse.

Segundo a Segurança Pública, oito pessoas foram detidas sob suspeita de crimes como lesão corporal, dano ao patrimônio público, porte de arma branca e desacato.

A manifestação contra as reformas estava marcada desde antes de vir a público a investigação sobre Temer, resultante da delação da JBS. As suspeitas de corrupção e de obstrução da Lava Jato, divulgadas na semana passada, engrossaram o protesto.

"O ato foi maior do que o esperado, e 150 mil em Brasília são milhões representados pelo Brasil", disse Guilherme Boulos, um dos coordenadores do MTST (Movimento dos Trabalhadores Sem Teto).

Membros do governo também avaliaram que o volume de pessoas foi significativo.
Autoridades calcularam que entre 500 e 600 ônibus de outras cidades chegaram a Brasília. A reportagem encontrou manifestantes de São Paulo, Rio, Espírito Santo, Minas, Pará, Rio Grande do Norte, Paraíba e Rio Grande do Sul.

"É importante lutar por diretas, principalmente porque esse governo quer impor reformas sem consultar o povo e sem ter uma base de votos", disse o agente comunitário de saúde Luciclaudio Bezerra, 39. Ele enfrentou viagem de cerca de 39 horas de ônibus de Santa Cruz (RN) a Brasília para participar do ato.

Foram mais de quatro horas seguidas de confronto ao longo do Eixo Monumental, onde ficam os ministérios. O ponto mais crítico foi o gramado próximo ao Congresso. Manifestantes armaram barricadas de fogo com banheiros químicos e atiraram paus, pedras e fogos de artifício, enquanto a polícia lançava bombas de gás, spray de pimenta e balas de borracha.

Havia sindicalistas, professores, estudantes e também pessoas mascaradas. "Não sei direito como aconteceu, de repente senti o impacto e caí", disse Vitor, 31, de Curitiba, ferido no braço por uma bala de borracha. Dois homens, de 18 e 35 anos, levaram tiros de bala de borracha nos olhos e foram levados ao Hospital de Base.

Confronto
O conflito começou por volta das 13h30, quando a manifestação se aproximava de um bloqueio policial a 500 metros do Congresso. Primeiro, chegaram sindicalistas de roupa laranja da Força Sindical, que forçavam as grades e eram repelidos com spray.

Depois, uma multidão se engajou na tentativa de invadir o Congresso. Dos carros de som, líderes pediam calma, mas não eram ouvidos. "Companheiros mascarados, por favor, temos mães aqui, vamos manter a calma", pediu a senadora Vanessa Grazziotin (PC do B-AM).

Quando ficou claro que as bombas não cessariam, líderes como Zé Maria (PSTU) disseram para os manifestantes resistirem à ação da polícia. Um técnico de som da equipe da documentarista Petra Costa, que filmou os bastidores do impeachment de Dilma Rousseff, foi ferido na perna esquerda por uma bala de borracha da PM.

Em meio à confusão, participantes do ato começaram a recuar para o estádio Mané Garrincha, um pontos iniciais da marcha. Quem passava pela rua era atingido por bombas e disparos -um homem ficou com uma bala de borracha alojada no pescoço. Usuários de ônibus no terminal rodoviário, a dois quilômetros do Congresso, sofreram com spray de pimenta. Jornalistas de vários veículos ficaram no fogo cruzado.

Por volta das 18h, a Esplanada dos Ministérios estava praticamente esvaziada pela polícia. Mais cedo, o governo liberou os servidores para que abandonassem rapidamente os prédios.