quarta-feira, 26 de outubro de 2016

Belchior completa 70 anos cultuado e com paradeiro ignorado

Belchior,por onde andará?
Foto: reprodução

JC Online

Antônio Carlos Gomes Belchior Fontenelle Fernandes, cearense de Sobral, cantor, compositor, completa 70 anos hoje. Em lugar de "parabéns pra você", a frase que será mais lida nas redes sociais deve ser, "Por onde anda Belchior?". Sua música no entanto deverá ser escutada com facilidade País afora, até porque caiu no gosto da juventude do século 21. Belchior é cultuado por jovens músicos, como o pernambucano Juvenil Silva, destaque da nova cena recifense, que celebra o aniversário do ídolo no bar Mundo Novo, na Rua Velha, com discotecagem de Roger de Renor.

Coincidentemente foi arvorando-­se ao novo, peitando os velhos baianos, que Belchior ousadamente estourou em 1976, com Alucinação, seu melhor disco, e um dos álbuns fundamentais da MPB. O artista hoje septuagenário mostrava uma fixação pela dicotomia o novo versus o velho, abusava no uso da palavra "jovem" em suas letras. Em Apenas um Rapaz Latino­americano, chama Caetano Veloso de "um antigo compositor baiano", ao citar Divino Maravilhoso. Em Velha Roupa Colorida descartava o passado como "uma roupa que não nos serve mais".

O irascível crítico José Ramos Tinhorão escreveu, no Jornal do Brasil, uma cáustica resenha do álbum, intitulada A Alucinação (Infantil) de Belchior. As letras longas, descritivas, a voz fanhosa, levou a que o adjetivassem de "Bob Dylan Brasileiro": "Apesar de me envaidecer ser comparado com o maior poeta da nossa geração, nunca pretendi este papel. Não quero ser apenas uma imitação. Tenho mais para dar: a minha personalidade" (JB, 1978).

Quatro décadas depois, as canções de Belchior touxeram alento para Juvenil Silva que, revela, estava vivenciando situações descritas nas canções do cearense: "No ano passado eu estava meio azoado e comecei a ouvir Belchior, naquelas letras há questões filosóficas, que tem a ver com sexo, com liberdade. Começamos a tocar suas músicas em casa, por curtição mesmo. Achava difícil, pela forma como ele interpreta, pelas próprias músicas. Fizemos um show, pensei que não ira rolar. Mas deu certo. De vez em quando fazemos, eu e A Banda dos Corações Selvagens. Dá uma galera, gente muito nova, Belchior virou cult".

DO CEARÁ

No início era um grupo de músicos, poetas, que varava noites e madrugadas no Bar do Anísio, em Fortaleza, e resolveram morar em São Paulo, onde foram logo rotulados de "O Pessoal do Ceará", Fagner, Ednardo, Rodger, Teti e mais gente. Afora a origem, havia pouco em comum entre eles. Fagner foi o primeiro a se destacar, Ednardo e Belchior tornaram­se relativamente conhecido depois que tirou um primeiro lugar num festival universitário com Na Hora do Almoço. Ednardo, estouraria Pavão Misterioroso, na trilha da novela Saramandaia.

Assim como Belchior, a imprensa queria o novo. Afinal o iê­iê­iê tinha se desintegrado, o tropicalismo acontecera há muito tempo, cinco anos. O Pessoal do Ceará era presença constante nos jornais. Roberto Carlos gravou Mucuripe, parceria de de Belchior e Fagner. Então apareceu Elis Regina com seu ouvido infalível, não apenas para o novo, mas à música de qualidade. Ela botou Belchior na roda, ao gravar Velha Roupa Colorida e Como Nossos Pais, dois hits de Falso Brilhante.

Quando o álbum de Elis foi lançado, Belchior estava terminando Alucinação. O cearense estava em pleno pico criativo, mal comparando, feito o Dylan dos primeiros anos da década de 60 compunha compulsivamente. Também feito Dylan, dez anos antes, Belchior, em 1975, demarcava uma linha divisória entre o velho e o novo. Afirmou, em entrevista José Miguel Wisnik, que os anos 60 tinham acabado, e rebateu uma recente declaração de Caetano Veloso, que falava em fazer música "sem fazer história": "Fazer música é como fazer um pão, fazer uma panela, trabalhar numa fábrica. Para o homem tudo tem utilidade, Quem canta só por cantar é passarinho".

A partir de Alucinação vieram mais três discos antológicos, muito bem recebidos pelo público: Coração Selvagem (1977), Todos os Sentidos (1978) e Era Uma Vez Um Homem e Seu Tempo (1979). No terceiro está seu último hit radiofônico, Medo de Avião. A partir de 80, por diversas razões, Belchior parou de fazer sucesso, mas não de lançar discos. Em 1976, ele alertava que o novo sempre vem. Na década de 80 o novo chegou na forma do rock nacional, e Belchior começou a sair das páginas dos jornais, das revistas, da TV, mas não no rádio, afinal emplacou tantos sucessos, que sua permanência nas programação das FMs era inevitável. mas não tocavam mais seus discos novos.

SUMIÇO Então, de repente, Belchior sumiu, literalmente. Não como Bob Dylan, que em 1967, saiu de cena, para viver com a família em Woodstock, no interior do estado de Nova Iorque. Belchior sumiu, em 2009, sem que nem a família soubesse do seu paradeiro. Foi encontrado no Uruguai, onde vivia com a produtora cultural Edna Araújo. O filósofo misterioso teve sua obra descoberta pela juventude há cinco anos. O site Screem & Yell produziu, em 2014, o álbum tributo Ainda Somos Os Mesmos, com cantores e bandas da nova geração do pop brasileiro regravando na íntegra o clássico Alucinação. Não se sabe como Belchior comemorará a nova idade. O pouco que se sabe dele é que voltou a ser apenas um rapaz (agora um senhor) latino­americano, sem dinheiro no banco, talvez, vivendo no interior.

Nenhum comentário :

Postar um comentário