segunda-feira, 31 de outubro de 2016

Um protagonismo fragmentado - Renata Bezerra de Melo

O resultado das urnas, no 2º turno, em Pernambuco, deixa como herança um conjunto de movimentações, rumo a 2018, que começam a ser regidas por composições, formadas ainda sobre alguns palanques vitoriosos. O PSB pode, de um lado, comemorar a reeleição do prefeito Geraldo Julio, no Recife - que era a prioridade maior da sigla. De outro lado, a legenda passou a ter um protagonismo fragmentado no Estado, à medida que sofreu derrotas em importantes cidades na RMR e do interior, no 1º turno, além de Caruaru, agora, no 2º turno. No segundo maior colégio eleitoral, o candidato apoiado pelo PSB, Neco (PDT), foi derrotado, ontem, assim como Heraldo Selva, do próprio PSB, o foi no 1º turno. No palanque de Anderson Ferreira, que saiu vitorioso, quem subiu foi o senador Armando Monteiro Neto, que não exclui a chance de encabeçar uma chapa majoritária em 2018, embora não tenha cravado que não tentará reeleição. Apesar disso, governistas, nas coxias, lembram: “Anderson vai fazer a opção do caminho dele e tenho certeza que o caminho é o da base”. A derrota do PSB em Jaboatão não é vista como problema. Na Capital, seria. “Era um grande problema. Imagina se a gente perdesse Recife?!”, compara um socialista. Cenário semelhante ao de Jaboatão foi reproduzido, na Capital do Agreste, onde, Raquel Lyra derrotou, ontem, o candidato do Palácio das Princesas, Tony Gel, e onde o socialista, Jorge Gomes, já havia sido derrotado no 1º turno. Ministro das Cidades, Bruno Araújo, acompanhou a apuração ao lado de Raquel e seguiu em carreata para comemorar. Assim como Armando Monteiro, o tucano também tem o nome ventilado para uma disputa majoritária. E os dois andam cada vez mais próximos. O que se diz, nos bastidores, é que Pernambuco, ao final deste pleito municipal, “volta ao status quo de sua história de ter lados se contrapondo em detrimento de uma hegemonia do PSB”. E 2018 começa a ser desenhado desde já.

Geraldo Julio obteve 61,30% dos votos contra 38,70% de João Paulo

Demarcando território
Na véspera do pleito, o ministro Bruno Araújo chegou a replicar, no seu Facebook, denúncia de João Lyra contra o Governo do Estado. “Repeti porque achei que João Lyra, enquanto ex-governador e, hoje, no PSDB, merecia a devida atenção. Utilizei meu espaço para dar eco à fala dele”, sublinhou o titular da pasta de Cidades.

Adição > O senador Armando Monteiro Neto vê “uma força independente que se consolida em Caruaru com a posição de João Lyra e de Raquel Lyra”. E detalha: “Evidente que, hoje, João tem posição de não alinhamento com o Palácio e, a essa tendência, se soma à posição do partido (PSDB) dele em Pernambuco”.

Mapa > O petebista prossegue: “O PSDB saiu do governo e, hoje, o PSDB tem também, claramente, posição no Estado, que não é de alinhamento com o Palácio. Raquel é uma liderança emergente importante e terá peso grande no xadrez da política de Pernambuco. Seguramente, eles não vão se alinhar com o Palácio”.

Subtração > Na oposição, Petrolina não tem sido considerada uma vitória, exatamente, do PSB. “Foi uma vitória de Fernando”, observa um. “Ali é o PSBdoB”, pontua outra fonte, em reserva.

Dança das... > Com a eleição de Anderson Ferreira em Jaboatão, Augusto Coutinho será efetivado na Câmara Federal. Guilherme Coelho, que havia deixado a Casa, volta a assumir cadeira de deputado federal.

...cadeiras > Já a eleição do Professor Lupércio, em Olinda, fará com que Jadeval de Lima, vereador eleito, assuma mandato na Alepe. Por tabela, Eduardo Chera pode chegar à Câmara de Vereadores.

Tradição > Na feijoada, servida no almoço, ontem, na casa de Renata Campos, além de Geraldo Julio, Paulo Câmara e de secretários estaduais, estavam presentes vários membros da família Arraes, a exemplo de Maurício e Nena. Ana Arraes acompanhava o filho, Antônio Campos, em Olinda.

Nenhum comentário :

Postar um comentário