terça-feira, 1 de novembro de 2016

Mais dois no páreo da sucessão de 2018 - Carlos Chagas

Entraram mais dois candidatos presidenciais, um abrindo o jogo, outro escondendo. Já existe uma página no Facebook divulgando que Marcelo Crivella disputará o palácio do Planalto dentro de dois anos. João Dória Júnior negou, mas dispõe de instrumentos até maiores: elegeu-se prefeito de São Paulo no primeiro turno.

Outro, se não saiu, pelo menos recuou. Aécio Neves havia perdido o governo de Minas e agora perde Belo Horizonte. Se ano que vem perder a presidência do PSDB, dificilmente se tornará o candidato tucano, cedendo a vez a Geraldo Alckmin.

No mais, as cartas continuam na mesa. Michel Temer logo poderá lançar-se candidato a um segundo mandato, porque a lei não retroage para prejudicar. Tem o direito constitucional da reeleição, mesmo se a próxima reforma política vier a proibi-la. Para a hipótese de rejeitar mesmo a permanência, surge Henrique Meirelles. Nos dois casos, a recuperação econômica será condição imprescindível.

Os outros pré-candidatos são os mesmos: Ciro Gomes, Marina Silva, Alvaro Dias, Ronaldo Caiado, Jair Bolsonaro, Joaquim Barbosa e outros menos falados.

OPÇÃO DO PT – E o Lula? Será bom não esquecê-lo, pois apesar da queda livre que atinge o PT e o próprio primeiro-companheiro, será sempre bom lembrar constituir-se na única opção do partido. Disporá da lembrança de dois mandatos presidenciais de muito êxito, apesar de Dilma Rousseff haver perdido todo o seu capital.

Em suma, o quadro não parece definitivo, mas é o que se delineia. O leitor não deve estranhar a repetição, hoje, dos fatores aqui expostos ontem, apenas com a atualização de mais opções.

Nenhum comentário :

Postar um comentário