sábado, 14 de janeiro de 2017

Câmara, a violência e 2018 - Magno Martins

Decididamente, o maior nó do governador Paulo Câmara (PSB) é a segurança pública. Recentemente, mudou o comando da Secretaria de Defesa, importando um carioca de sotaque arrastado, que ainda não disse a que veio. Os índices de homicídios continuam astronômicos, os assaltos a ônibus no Grande Recife cresceram 14% e no Interior o terror se espalha com as quadrilhas de arrombamento a bancos.

Os presídios, sob a batuta de Pedro Eurico, são um barril de pólvora. De tão inseguros, levaram Pernambuco a figurar entre os quatro Estados ameaçados de uma intervenção federal, segundo ranking divulgado pelo Ministério da Justiça. Eurico é um advogado competente, forjado na defesa de presos políticos, ganhou a amizade de Dom Hélder, foi deputado estadual e ocupou vários cargos.

Mas já deu o que tinha de dar. Dos políticos pernambucanos em fim de carreira, Roberto Magalhães (DEM) foi o mais sábio: soube dar adeus à vida pública na hora certa, no momento oportuno. O tempo passa, o mundo se renova. O Estado tem que se renovar e Paulo Câmara, embora produto da renovação, não está sabendo renovar seus quadros.

Parece ser um bom gestor na área fiscal, tanto que o Estado tem pagado seus servidores em dia. Mas um Governo é muito mais do que um mero ajuste financeiro. É o social, a implantação de políticas públicas de segurança que possam dar a garantia ao cidadão de que ele está protegido.

Não é esta, infelizmente, a sensação que o pernambucano tem do seu governador. Extraindo os exageros do tom natural de oposição, o senador Armando Monteiro (PTB) tem dito que existe governo, mas o Estado não tem governador, ou seja, está desgovernado. A constatação irrita Câmara e sua equipe quando deveria servir de advertência para correção dos rumos, enquanto há tempo.

O tempo é por si só um grande complicador, fator de preocupação extrema para o governador. Dois anos já se passaram sem que ele tenha sequer uma marca da sua gestão. Nem slogan tem, como qualquer outro governo. A impressão que passa para os que entendem um pouco de máquina pública é a de que os erros e falhas, sobretudo na segurança, são consequências de improvisos, arranjos muito mal feitos.

Se 2017 for atropelado por esses arranjos precários, não levando Câmara a enfrentar com arrojo e determinação a bandidagem que campeia e intranquiliza a população, ele, certamente, terá enormes dificuldades para planejar um projeto de reeleição. A oposição, mesmo fragilizada, tende a ganhar musculatura, seja com Armando ou outro nome produto de um grande entendimento do novo bloco oposicionista que se costura atraindo forças não mais reféns nem tampouco caudatárias do PSB.

Nenhum comentário :

Postar um comentário